Sopa de feijoca e 4 épices



Hoje trago uma sopa porque ouvi dizer que esta semana o tempo vai arrefecer e se há coisa que gosto de comer quando está frio é uma bela sopa. Boa semana e agasalhem-se :)

Ingredientes:
200grs de abóbora
2 batatas 
1 cenoura
1 cebola

1 dente de alho
200 de feijoca seca
½ couve coração
água
sal

2 colheres de sobremesa de 4 épices em pó

Meter a feijoca de molho umas horas antes de fazer a sopa, eu meti já à noite e acabei por só as tirar na manhã seguinte. Cozi as feijoca à parte dos restantes legumes da sopa porque não gosto muito da espuma que elas fazem, mas podem colocar junto aos legumes.

Cortei as batatas em cubos e as cenouras em rodelas, a cebola em quatro e o alho inteiro. A abóbora tinha congelada  já estava cortadinha em cubo e adicionei cerca de 100 grs de feijoca. Juntar tudo num tacho cheio de água e temperado com sal. 


Assim que estiver cozido passe tudo com a varinha mágica/robot de cozinha, coloque a restante feijoca já cozinha e a couve coração cortada em pedaços pequenos, tempere com um fio de azeite e coloque as colheres de especiaria, deixe ao lume mais uns minutos até a couve ficar cozida.




Pode colocar mais um fio de azeite e uma pitada de 4 épices antes de servir.



Tapas e um Convite para jantar

É com muito prazer que sou a anfitriã da 9ª edição do Convite para jantar da nossa Anasbageri. Finalmente chegou a minha vez de lançar um novo tema, depois dos reis e rainhas da Alice.

Pois bem, o desafio é o seguinte:

Convidem uma cidade/país que vos toque no coração. Pode ser onde nasceram, onde vivem actualmente, onde passam as férias de verão, onde têm família, onde sonham um dia ir, onde foram e não conseguem esquecer... Aquela cidade/país que adoram trazer vezes sem conta à vossa cozinha, para matar as saudades ou, simplesmente porque gostam de cozinhar a sua gastronomia a senti-la mais perto. Convidem a cidade/país do vosso CORAÇÃO.

Costumo dizer muitas vezes que quem gosta de cozinhar pode viajar vezes sem conta sem sair de casa. Com aquela especiaria especial e com o ingrediente certo em segundos estamos na Ásia, no dia seguinte em África e podemos acabar a semana de volta à Europa. É uma maneira de poupar uns trocos e por outro lado de saborear o melhor que o mundo tem para nos dar. Assim que comecei a participar neste desafio pensava sempre, porque será que ninguém escolhe uma cidade ou país como tema? Sei que não é exactamente uma "pessoa", talvez não faça sentido, mas se já convidámos um cartoon e até mesmo um aristocrata para lá de morto, porque não uma cidade ou país? Foi então que decidi ser a anfitriã. Espero que se divirtam tanto como eu me diverti nos temas anteriores e dêem muito sabor à vossa criatividade.

Vamos então às regras e digo já que são poucas, porque este desafio é para lá de criativo:
  • Convidar para jantar uma cidade/país do qual se identifiquem.
  • Todos podem participar, mesmo que seja a primeira vez ou não tenham blog de culinária.
  • Quem participa terá que publicar o seu link nos comentários deste post se tiver blog, se não tiver envie receita+foto para o email da Marmita.
  • No vosso post deve estar mencionado este link e o link da Anasbageri.
  • Participações devem ser feitas até dia 16 de Dezembro.
  • Alguma duvida podem contactar por aqui, por email ou facebook.

    E agora quero que conheçam o meu convidado:

Digo muitas vezes na brincadeira que numa outra vida devo ter sido Espanhola. Adoro o país, a cultura, as pessoas, a música a gastronomia e tudo! Mas Sevilha tem um sabor especial, foi e será sempre a cidade do meu coração. Sevilha, onde passei as primeiras férias com o meu marido e da qual saímos apaixonados pela capital da Andaluzia. Para nós é, sem a menor dúvida, a mais bonita cidade Espanhola. Desde ai que sempre que podemos voltamos à nossa cidade do coração e é sempre um encanto.


Muitos de vocês já devem ter ido ou passado por lá, foram de certeza à Isla Mágica com as crianças ou à Semana Santa na Páscoa. Mas a Sevilha que eu falo é a Sevilha Sevilhana... A Sevilha longe do parque de diversões ou de ruas cheias de gente. Uma sevilha linda, cheia de recantos misteriosos, tabernas cheias de sabor, casas coloridas, a cidade que quando anoitece tem uma luz linda, a cidade dos casamentos, das varandas cheias de flores com o som das guitarras de flamenco a sair das janelas, das esplanadas cheias de gente com repuxos de água para refrescar quem passa, das bicicletas e das lambretas, dos granizados (que eu tanto adoro) e claro das tapas! Essa sim é a Sevilha que adoro. Se ainda não conhecem esta Sevilha espero que um dia a possam conhecer e senti-la como eu.


Muitas são as vezes que os meus amigos me perguntam: Vou a Sevilha o que devo visitar?... E é tão difícil para mim responder a essa questão porque cada vez que lá vou conheço um lugar diferente, descubro uma nova praça, uma rua mais escondida, um recanto mais belo é mesmo muito difícil. Mas posso dizer que para mim não há Sevilha sem Triana que é a zona onde eu gosto mais de estar, de descobrir as taberninhas pequenas, de tapiar como eles tanto gostam, de ver o entardecer junto à Ponte Isabel II e claro, que não podia deixar de falar no Mercado de Triana que é fantástico. Se quiserem ir a Sevilha visitem tudo o que conseguirem mas não deixem de subir ao topo da La Giralda e ver a vista da cidade. Percorram o Bairro de Santa Cruz e as suas ruas labirínticas. Entrem no Real Alcazar, ou passeiem junto aos jardins da Plaza de España e acabem a noite a comer tapas em Triana. 

Visitem Sevilha, de preferência apaixonados, que faz tudo muito mais sentido, acreditem! :)




Agora deixo-vos aqui um bocadinho do meu jantar Sevilhano. Nenhuma das receitas que fiz são originais, todas foram adaptadas e alteradas por mim. Muitas nem procurei a receita na net, simplesmente vou experimentando e tento aproximar ao que como por Sevilla e acabo por tentar torná-las mais saudáveis, pois os Sevilhanos são óptimos mas como se fartam de andar de bicicleta acabam por não se preocupar com a linha. Provavelmente já devem ter comido muitas destas tapas por toda a Espanha, são muito populares por todo o lado mas como só as como em Sevilha para mim são Sevilhanas :)



Ingredientes são todos para 2 pessoas:

Patatas olioli: 
1 batata grande
2 colheres de sopa de creme fraiche
1 dente de alho
sumo de 1/2 limão
salsa seca q.b.
sal, pimenta q.b.
pão de baguete q.b.
azeite e oregãos q.b.

Cozer a batata em água com sal, ter atenção à cozedura não deixar demasiado para que a batata fique esmagada, retirar da água e reservar. Num almofariz colocar o alho de com um fio de azeite e moer tudo muito bem, adicionar o creme freache e temperar a gosto. Eu coloquei apenas, sal, pimenta, sumo de limão e salsa seca. Existem várias versões de como fazer o molho olioli, eu como tinha cá creme fraiche aproveitei e também não coloquei tanta alho como normalmente fazem Espanha porque aqui por casa o alho tem que ser usado com moderação por causa do estômago. Acompanhei com umas fatias de pão de baguete tostadas com azeite e orégãos secos.



Salmorejo:
2 tomates maduros sem pele
1/2 dente de alho
1 ovo
30 grs de pão (do dia anterior)
2 colheres de sopa de azeite
1 colher de sopa de vinagre de Jerez
sal, pimenta q.b.
Presunto ibérico q.b.
queijo Manchego q.b.
flores de alecrim



Cozer o ovo e reservar.

Tirar a pele aos tomates com uma passagem por água a ferver e colocar numa liquidificadora/robot de cozinha. Adicionar ao tomate o alho e picar,  de seguida adicionar o azeite, o vinagre e temperar a gosto. Quem achar que está demasiado espesso pode colocar um pouco de água eu por acaso não o fiz, porque gosto dele tipo néctar, mas quem quiser também pode coar no final. Antes de servir colocar um pouco de presunto em pedaços pequenos por cima juntamente com o ovo picado e um fio de azeite. Eu acrescentei uma tábua com meu queijo preferido Espanhol e um pouco de presunto porque não há tapas sem presunto acompanhar.

Salpicon de gambas:
6 camarões
1/4 pimento verde
1/4 pimento encarnado
1 dente de alho
3 tomates cherry
3 "palitos" de caranguejo ou delicias do mar
azeite, vinagre q.b.
mostarda em grão, pimenta em grão e sal q.b.                    
tomilho q.b.



Cozer os camarões para que fiquem bem rijos, eu faço assim: coloco uma panela com água e assim que começar a ferver coloco os camarões descascados durante 1 minuto no máximo (ou até que fiquem laranja), retiro da água e coloco rapidamente em água fria com gelo deixo 1 minuto retiro e seco os camarões, acreditem que assim ficam óptimos.

Parti alguns camarões em pedaços pequenos e deixei 2 grandes para o centro, parti os palitos de caranguejo, o pimento encarnado em pequenos pedaços e o verde "tipo juliana", juntei um dente de alho  os tomates cherry igualmente partidos e temperei com azeite, vinagre, mostarda, pimenta, sal e umas ramas de tomilho fresco. Servir com uma cerveja de preferência marca Cruz Campo (já que é pra ser Espanhol por uma noite, vamos a isso!) e uns picos que é bastante usual servirem acompanhar as tapas em qualquer restaurante Sevilhano.

Mais uma vez um muito obrigado à Ana por me deixar ser a host deste desafio e escolher um tema que me é tão querido! Acreditem que se juntarem os meus 9 convidados acabam por me conhecer melhor do que alguns dos meus melhores amigos.

Agora uma coisa que reparei segundos antes de postar. Na minha ultima ida a Sevilha tirei uma fotografia a um poster de um concerto dos El bairro (que é uma banda que adoro) que estava espalhado por todas as ruas de Sevilha e não é que calhou a data de hoje? 17 de Novembro... juro que reparei agora menos e achei lindo, hoje era um bom dia para estar em Sevilha por voltas das 22 horas, oh se era! :)

Bôla de chouriço e funcho


Hoje trago uma receita adaptada de um post de 2010, uma bôla simples que não precisa de levedar e que é óptima para qualquer lanche de ultima hora. O funcho deu um sabor diferente à bôla que acabou agradar a toda a família.


Ingrediente:
4 ovos
250 ml de leite
4 colheres de sopa de azeite
500 grs de farinha
2 colheres de chá de fermento
2 chouriços corrente
1 colher de sobremesa de sementes de funcho moídas
sal q.b.

Cortar os chouriço em pedaços pequenos ou picar a gosto, numa batedeira ou robot de cozinha colocar os ovos 1 a um batendo, adicionar o azeite, o leite, o sal e bater mais um pouco, de seguida a farinha e o fermento e as sementes de funcho previamente moídas no almofariz ou numa picadora até ficarem em pó. Finalmente adicionar o chouriço com ajuda de uma colher de pau e colocar o preparado num tabuleiro untado com manteiga e farinha no forno 30 minutos a 200º.

Entrecosto com romã e um convite para jantar

Como não podia deixar de faltar, este mês, trago mais uma convidada. O pedido veio da nossa Alice que nos disse que desta vez os convidados teriam de ser gentes da realeza. Reis, rainhas, príncipes ou princesas, por isso mesmo escolhi esta nossa 'quase' rainha. 


Sempre adorei a história do D. Pedro e da D. Inês, mesmo não sendo eu uma rapariga dada a dramas românticos. Há quem diga que são o nosso Romeu e Julieta, e eu concordo. O amor proibido sempre foi algo que me tocou porque em parte devo ter vivido uns 5% daquilo que o Pedro e a Inês viveram, mas não acabando em tragédia, está claro. Por isso, não poderia ter escolhido outra convidada senão a nossa rainha (ainda que a título póstumo). Quem não conhece a história de D. Inês de Casto sugiro que vá aqui.

Quando escolhi realizar este jantar para a D. Inês pensei em fazer algo que não fosse muito actual, por isso, nada de massas folhadas, nem um grande jantar gourmet. Pensei em fazer um guisado mas depois, lembrei-me deste entrecosto, que se "deve" comer com as mãos, eu, pelo menos não o faço de outra maneira.

Foi então assim que o jantar começou, falámos de tudo um pouco. Começamos pela sua terra natal que ninguém sabe bem ao certo se é Galiza ou Coimbra, falámos também do seu sogro e do seu "mau feitio" e não podíamos acabar a noite sem falar no seu amado Pedro e dos seu filhos em comum. Foi um jantar cheio de sabor e com muito romantismo, mesmo como eu gosto que a vida seja.

Não podia deixar de mencionar o blog da Ana porque é graças a ela que ultimamente andamos a conviver com gente tão importante :)


Ingredientes:
650 grs de entrecosto
1 romã
2 colheres de sopa de vinagre bálsamico
1 colher de sopa de creme de Cassis
1/3 colher de sopa de gengibre ralado
2 dentes de alho esmagados
sal e pimenta q.b.
2 colheres de sopa de mel
6 ramas de tomilho fresco

Cortar o entrecosto às tiras e num pirex próprio para forno colocar os ingredientes um a um, começando pelo sumo de meia romã sem caroços, de seguida as 2 colheres de vinagre bálsamico, o creme de Cassis, ralar o gengibre ( fresco ou seco), esmagar os dentes de alho, colocar apenas 1 colher de mel e por fim temperar com sal e pimenta. Mexer tudo muito bem e se possível deixar a carne nesta marinada algumas horas, eu por acaso não o fiz foi direitinho para o forno durante 45 minutos a 200º com um papel de alumínio por cima. Passados os 45 minutos deitar a outra colher de sopa de mel e deixar sem a folha de alumínio durante 15 minutos a 200º, acreditem que vai fazer toda a diferença.

Eu servi com uma salada de rúcula e com a romã e umas folhas de tomilho fresco por cima da carne. Ao colher o tomilho reparei que o meu alecrim está em flor por isso vieram umas flores para animar o prato.


Receita base é da Nigella, mas eu desta vez alterei muito porque a receita original cá em casa torna-se muito enjoativa daí ter usado outros ingredientes.