Caril de vegetais da Marmita

A minha relação com o caril nem sempre foi a melhor, andei anos a dizer que não gostava ou até mesmo que não conseguia cheirar um caril, isto tudo por ter comido um "mau" caril e assim que descobri que a especiaria caril não era nada mais nada menos do que uma mistura de especiarias a minha vida mudou e comecei a fazer o meu caril, penso que existe 1 ou duas especiarias na mistura de caril comprada que não gosto e como ainda não descobri qual é ao certo acabo por fazer com as especiarias que eu adoro e tenho cá por casa. Depois foi o leite coco, meu Deus o leite de coco! Porque é que andam pessoas a fazer caril com natas, porquê? Pois o leite de coco leva na minha opinião o caril ao extremo e à perfeição. Por isso aqui estou eu hoje a partilhar o meu caril que acompanhei com um arroz basmati de um aroma fantástico que a Oriente Rice da Novarroz gentilmente partilhou comigo e do qual eu fiquei fan, porque fica super solto e em poucos minutos está cozinho. Foi assim que viajei até à Índia em poucos minutos.

Ingredientes:
280g de grão em lata
280g ervilhas congeladas
1/2 couve-flor
200ml de leite coco light
1 cebola
2 dentes de alho
gengibre fresco (tamanho igual ao de um dente de alho)
azeite q.b.
sal q.b.
água (caso seja necessário)
Coentros frescos
1 colher de café das seguintes especiarias:
- Açafrão das Índias
- Coentros em pó
- Paprika
- 4 épices
- Mostarda preta em grão
- Curcuma
- Cravinho
- Mostarda branca em grão

Ingredientes Arroz:
200g de Arroz Basmati da Oriente Rice
5 folhas de lima
1 lima
sal, azeite q.b.

Numa panela colocar o azeite,  deixar aquecer ligeiramente e enquanto este aquece picar finamente os alhos, a cebola, o gengibre e reservar tudo. Colocar a mistura das especiarias e deixar libertar um pouco os aromas (sem deixar de mexer) a quantidade das especiarias que usei foi exactamente as que vêm na imagem deste post, depois no final reforcei um pouco mais com as mostardas em grão, porque adoro o crocante  e acho que fica lindo nas fotografias :). Assim que as especiarias ficarem mais douradinhas (ter cuidado não deixar queimar), colocar o alho, a cebola picada e o gengibre, deixar refogar ligeiramente e colocar a couve-flor saltear por uns 5 minutos e colocar as ervilhas. Regar os legumes com o leite de coco e deixar cozinhar uns 10 a 15 minutos depende da maneira como for cortada a couve flor (eu cortei em pedaços pequenos), caso sinta que o molho está demasiado "forte" ou que o leite de coco evaporou um pouco a mais adicione um pouco de água ao preparado e tempere com sal caso ache necessário.


Enquanto os vegetais estão a cozer pode começar a cozer o arroz normalmente com água, sal e um pouco de azeite. Adoro folhas de lima, comprei-as por causa da querida Alice que me encomendou em tempos numa ida ao Martim Moniz e fiquei fan. Acabei por só conseguir comprar folhas de lima secas que sinceramente ficam óptimas na mesma e acabam por durar mais tempo na dispensa. Usei na cozedura do arroz umas 3 folhas que deixou um aroma ao arroz fantástico, depois do arroz cozido adicionei sumo de 1 lima e mais umas folhas secas, acreditem que faz toda a diferença.

Sirva o caril com o arroz, uns coentros frescos e umas rodelas de lima que ajuda a refrescar um pouco :)








Dip de cogumelos com vegetais

Ingredientes: (2 pessoas)
Dip:
3 colheres de sopa de creme fraiche
1 dente de alho
1/2 colher de sopa de Becel liquida
4 cogumelos frescos
1/2 colher de sopa de Licor Cassis
raspas de 1 limão pequeno
sumo de meio limão
sal e pimenta q.b.
cebolinho q.b.
orégãos secos q.b.

Vegetais:
1 cenoura grande
2 cachos de tomate cereja
2 rabanetes

Numa frigideira anti aderente colocar a manteiga com o dente de alho picadinho, juntar os cogumelos cortados em pedaços pequenos e saltear até reduzirem de tamanho, temperar com um pouco de sal e orégãos, adicionar o licor Cassis e deixar evaporar lentamente.



Numa tigela adicionar o creme fraiche, a pimenta, as raspas, o sumo do limão e um pouco de sal. Mexer tudo muito bem e adicionar os cogumelos depois de arrefecidos totalmente, para que não encontre pedaços muito grandes esmague com um garfo ou um esmagador de batatas os cogumelos o máximo que conseguir, mexa tudo muito bem verifique o tempero e coloque o cebolinho.

Sirva com os vegetais, e é com muito orgulho que digo que os pequenos rabanetes que vêm na imagem são de um pequeno vaso que tenho na varanda :) É a segunda vez que planto e crescem super rápido.

Um muito obrigado à "mão amiga" que está nesta foto, que partilhou comigo esta entrada e uma tarde muito agradável, saudades tuas :(  Esta receita foi feita quando ainda havia sol por cá, hoje lembrei-me que podia aquecer o coração da minha amiga que está com temperaturas negativas e de certeza com saudades do nosso tempinho bom.

Pastéis de massa tenra de peru e especiarias

Para começar a semana trago uns pastelinhos, agarro na deixa do Ricardo Araújo Pereira no programa Mixórdias de Temáticas para vos perguntar se para vocês pasteis de massa tenra é refeição ou petisco? Eu confesso que tanto gosto deles de uma maneira como outra por exemplo, os pastéis de bacalhau a mim sabem-me tão bem com um arroz de feijão ou de tomate, coisa que para alguns não passa de um petisco/entrada. Para vocês em que categoria se enquadram os meus pastéis?

Ingredientes massa:
75gr de manteiga
100 ml de água
270gr de farinha sem fermento
1 pitada de sal
1 ovo
sementes de papoila q.b.

Ingredientes recheio:
200gr de carne de perú picada
1 colher de chá de raspas de limão
1 colher de chá de paprika
3 ramas de tomilho fresco
1 colher de chá de ervas de provence
2 colher de sopa de vinagre balsâmico
sal grosso q.b.
pimenta rosa q.b.
2 colheres de sopa de Vaqueiro manteiga sabores especial aves

Comece por fazer a massa colocando a manteiga na batedeira ou no robot de cozinha, bater até ficar líquido, acrescentar a água, o sal e bater mais um pouco. De seguida a farinha e bater até ficar uma massa fofa. Retirar a massa e deixar repousar durante 1 hora e 30 minutos.

Entretanto pode marinar a carne com as raspas do limão, o sal e a paprika uns 30 minutos antes cozinhar.

Para cozinhar coloque a manteiga na frigideira bem quente de seguida a carne e saltear tudo uns 3 minutos. Depois comece por colocar as especiarias uma a uma, tendo em atenção não deixar agarrar (se necessário colocar 2 colheres de água, deixe as especiarias se fundir com o sabor da carne e faça uma redução do vinagre balsâmico eu utilizei 2 colheres de sopa cheias. Antes de desligar coloquei tudo na picadora ou no robot de cozinha e piquei tudo uns segundos para que a carne fique bem picadinha, quase como se usa no chili de carne.


Retire a massa e com ajuda de um rolo de cozinha, numa superfície plana com farinha estender a massa para que fique bem fininha, com um cortante (ou um copo) fazer pequenos círculos colocar um pouco de carne num lado dos círculos e fechar com o outro lado, pressionado com os dedos ou com um garfo para que fique bem fechadinho, fazer este processo até a massa acabar.

Colocar os pastéis num tabuleiro forrado com papel vegetal e pincelar a parte de cima com ovo, colocar as sementes de papoila e levar ao forno durante 30 minutos a 180º.

Bom apetite!




Ostras ao natural e gratinadas

Em 2011 passaram por , não posto mais vezes porque normalmente comemos sempre ao natural mas este ano decidi pela primeira vez levá-las ao forno e não é que adorámos! Perde-se um pouco aquela explosão de mar na boca mas ficam óptimas, deixo as duas versões pois o Sr. cá de casa matava-me se as tivesse colocado todas no forno. As ostras em França comem-se com limão e mais nada minha menina, diz ele!


Ingredientes:
1 kg de ostras frescas
1 limão
1 ovo
1 colher de café de mostarda l'ancienne
sal, pimenta e mostarda de moer,
2 talos de salsa frisada
queijo parmesão q.b.

Lavar as ostras com uma escova e água fria e abrir com cuidado confesso, que nunca abri uma porque é sempre trabalho que deixo para o meu marido no entanto, deixo novamente este link com a explicação detalhada para uma abertura segura.

Depois de abertas colocar numa superfície plana, eu usei sal grosso como base porque ajuda a não tombarem a água que trazem no interior. Para as naturais convém não retirar a água, mas para as que foram para o forno eu retirei.
Numa tigela coloquei o ovo batido temperado com sal, pimenta e mostarda de moer e, de seguida a colher de mostarda mexer novamente, adicionar a salsa picadinha e colocar com cuidado por cima das ostras antes de levar ao forno ralar um pouco de parmesão. No total este molho deu para 4 grandes ostras e as outras 4 comemos apenas com limão, levei as outras 4 ao forno mesmo com o sal por baixo para não tombarem o preparado durante 35 min a 180º.

É um óptimo petisco! Posso já dizer que me levou algum tempo a gostar de ostras porque como quase toda a população portuguesa fui habituada desde pequena a comer marisco sempre bem temperado e cozinhado como tal, foi difícil aprender a gostar de algo tão simples e natural como as ostras. Para as pessoas como eu digo para voltarem a tentar provar, não deixem que a primeira prova vos assuste foi o que eu fiz e não me arrependi.


Pequeno almoço especial

Para quem segue o meu blog já algum tempo sabe o quanto eu adoro desafios. Que lancem um tema e me deixem criar com alguma margem. Foi o que aconteceu neste em especial, um blog muito querido de todos nós pediu um pequeno almoço e eu andei dias a pensar o que servir. O meu primeiro pensamento foi fruta! Tem que ter fruta, tem que ser bonito, reconfortante, um "quase" brunch e foi o que saiu, obrigada Tapas na Língua pelo livro e pelo embrulho ainda mais bonito e especial

Nada melhor do que começar o ano com um pequeno almoço saudável e especial  e desejar  a todos um 2013 cheio de cozinhados.


Ingredientes:
1 iogurte grego natural
1/2 romã
1 banana
2 colheres de sopa de amêndoa com pele
1 fio de mel q.b.
1 torrada
2 fatias de delicia de lagosta
1 tomate xuxa
4 fatias de dióspiro
queijo parmesão q.b.
4 folhinhas de manjericão
1 fio de azeite
Café duplo

Começar por ligar a máquina do café eu tenho uma daquelas que ainda se moí o café na hora, apesar de não ser pessoa que beba café o senhor cá de casa bebe e adora um bom café, como tal sempre se recusou a ter máquinas de café com cápsulas e grandes marcas, compramos café em grão depois da maquina estar quente moemos e tira-se um café verdadeiro como ele diz, confesso que o aroma que fica na cozinha é fantástico.

Numa frigideira anti aderente colocar as amêndoas previamente partidas grosseiramente com ajuda de uma faca, saltear um pouco e colocar 1 fio de mel para que caramelizem, mais uma vez fica um cheirinho em cada óptimo. Retirar do lume antes que torrem demasiado e reservar.

Numa tigela colocar o iogurte natura grego, a banana cortada às rodela e os gomos dos dióspiro, mexer tudo muito bem e reservar.

Colocar a torra a fazer e ir preparando os ingredientes. Cortar os tomates às rodelas finas, e o dióspiro também e com ajuda de um cortante de bolachas transformar pequenas estrelas. Depois da torrada estar pronta e ainda quente colocar um fio de azeite por cima, de seguida a fatia de delicia de lagosta ( para quem nunca viu há à venda em hipermercados junto ao fiambre e queijo cortado na hora) eu com comprei o meu no E.leclerc, de seguida colocar o tomate o queijo ralado na hora, os dióspiros e umas folhas de majericão frescas.

De volta ao iogurte, colocar as amêndoas que entretanto arrefeceram e ficaram super crocantes um pouco tipo nougat e colocar por cima do iogurte com mais um gomos de romã e para quem for mais guloso um fio de mel por cima fica muito bom.

Por fim retirar o café duplo e um resto de bom dia!

Obrigada mais uma vez à Tapas na Língua pelo bonito livro que prometo em breve vai para Marmita :)