Mexilhão à minha moda



Mexilhões cheira a verão, cheira ao sul de França e às férias que por lá passo todos os anos. Naquela costa Francesa há por todos os restaurantes as famosas moules frites e de todas as maneiras, ao natural, com caril, com natas, com roquefort, a la carbonara e outras tantas que ainda não tive oportunidade de provar. Cá por casa pouco invento com os mexilhões, normalmente faço quase sempre as que vos trago hoje do tipo à espanhola, ou por vezes, gosto muito de fazer com leite de coco, limão e umas ervas. Como não tenho fritadeira cá em casa, lá ficam as famosas frites fora do baralho e acompanho com pão ou mesmo uma pasta! Já acompanhei com batatas cozidas, mas confesso que não adorei o resultado.

Com as férias quase a chegar, deixo uma sugestão bem simples para quem for apreciador de mexilhões, infelizmente não conheço muita gente que goste e acho que se deve muito às péssimas misturas de marisco congeladas que se vendem para fazer arroz de marisco, onde se encontram sempre mexilhões mais amarelados que sei lá o quê e que quase sempre ficam à beira do prato.

Comprem fresco, e provem que não se vão arrepender.

Boa semana!





. Receita para 4 pessoas .

Ingredientes:
1kg de mexilhões frescos
1 cebola grande
3 dentes de alho
2 folhas de louro
800 gr de tomate (usei de lata)
1/4 de pimento vermelho
1/2 molho de coentros (25 gr)
Sal de aipo
Pimenta preta
1/2 sumo de um limão
Azeite virgem extra

Lave os mexilhões, há quem deixe aquelas pequenas algas que vem agarradas por darem mais sabor mas eu confesso que me mete um pouco de confusão e retiro.

Numa panela alta e larga, adicione o azeite, a cebola às rodelas, o alho laminado o louro, os talos dos coentros e o pimento cortado em pedaços bem pequenos e refogue até a cebola ficar translúcida, tempere com sal, pimenta e junte os mexilhões. Deixe que as conchas abram e absorvem bem o sabor do refogado e regue com o tomate, cozinhe durante uns 10/15 minutos ou até o molho ficar bem apurado.

Antes de desligar envolta os coentros picados e regue com o sumo do limão.

Sirva como entrada com umas fatias de pão fresco ou acompanhar uma pasta!



Ostras com pesto de coentros e amendoins


Se na semana passada trouxe uma receita "caliente" esta semana trago o oposto, trago frescura e mar juntos numa travessa! Já sabem que cá em casa servir ostras ao natural é tradição, de uma embalagem deixo sempre algumas para o marido comer assim simples e as restantes são para eu inventar... Não me canso de lhes juntar fruta, acho que o sabor a mar com a fruta é uma combinação perfeita.

Os morangos são da época, doces como só a Quinta do Arneiro o tem, o pesto foi um delírio da minha parte mas que acabou por me surpreender muito pela positiva.

Caso vos desperte atenção, aqui vai a receita, e votos de uma semana cheia de coisas boas! Se forem ostras, ainda melhor :D

 

. Receita para 2 pessoas .


Ingredientes:
1 kg de ostras
1/2 molho de coentros (25 gr)
3 colheres de sopa de amendoins (usei daqueles com mel:)
1 dente de alho pequeno
Azeite q.b.
2 colheres de sopa de parmesão ralado
Agua (usei 3 colheres de sopa)
Sal (usei de trufa)
Pimenta verde

Comece por fazer o pesto.

Num robot de cozinha ou 123, junte os coentros, o amendoim, o alho, e pique tudo muito bem até ficar uma pasta (tipo areia molhada). Junte lentamente o azeite a fio até ficar com a consistência desejada (eu gosto da textura do iogurte grego) juntei um pouco de água para atingir melhor a textura que pretendia. Depois é só temperar, juntar o parmesão e picar novamente até uniforme.

Reserve no frigorífico num recipiente de vidro, o meu durou 2 semanas e fui usando em massas e na carne.

Abra as ostras com cuidado (ver aqui)

Coloque-as num tabuleiro e sirva com o pesto por cima e uns pedaços de morangos frescos.

Aí até estou a salivar!





Penne com pimento D'espelette


Sei que não tenho vindo até aqui mas não é por falta vontade. Não ajudou andar em mudanças de computador, aliás atrasou tudo! Para ajudar o blogspot acabou com a aplicação para telemóveis que me dava um jeito enorme, era onde passava as receitas a limpo nos transportes até ao trabalho e escrevia as publicações! Mas pronto, aqui estou eu a escrever no bloco de notas do telemóvel para mais logo à noite fazer um copy paste! Mas era mesmo só para avisar que estou viva, bem de saúde e com o mesmo apetite de sempre. O meu mais novo rouba-me o tempo todo, mas não me importo nada, pois em termos de apetite ele também é do tipo Anthony Bordain "hungry for more" ;)

Hoje trago uma pasta caliente, acho que já sabem da minha adoração por tudo o que leva piment D'espelette. Para quem não sabe, o pimento D'espelette é um pimento vermelho mais pequeno que os nossos, mas ligeiramente mais picante, mas nada que se compare a uma malagueta, claro!
O ano passado tive o prazer de visitar a pequena vila de D'espelette no sul de França e ver os pimentos todos a secar junto às janelas para depois virarem a especiaria que tanto adoro, muito bonita esta pequena vila, lá comprei algumas das iguarias que uso nesta receita. No entanto, todos os ingredientes que usei acabados em D'espelette podem ser substituídos pelo nosso pimento normal vermelho, pasta de pimento e etc... Eu já fiz pasta deste tipo com pimento normal e ficou muito boa.

Por isso aqui vai a minha receita, com cheiro e "calor" a férias! 

Uma boa semana para todos! Prometo tentar vir aqui mais vezes.


. Receita para 2 pessoas .

Ingredientes:
250g de penne (cozer em agua aromatizada com um fio de azeite e sal e 2 ramas de tomilho)
2 colheres de sopa de azeite
2 cebolinhas
2 dentes de alho
2 pimentos D'espelette
1 colher de sobremesa se mostarda de pimento D'espelette
6 pimentos de conserva D'espelette
2 pimentos de espelette frescos
1 colher de sobremesa de purê de pimento de D'espelette
2 colheres de sobremesa de geleia de D'espelette
4 conchas da aguda da cozedura da massa

Comece por cozer a massa al dente, com 1 fio de azeite, sal e 2 ramos de tomilho.

Durante a cozedura da massa, numa wok coloque um fio de azeite, as cebolinhas, os dentes de alho e deixe alourar uns minutos. Junte os pimentos frescos e de conversa e aloure mais uns minutos. Junte o purê, a geleira e pouco a pouco deixe apurar, juntando a água da cozedura caso sinta que está a ficar seco demais. Depois de cozinhado, retire e pique tudo numa liquidificadora até ficar um purê bem homogêneo.

Retire da liquidificadora e leve novamente ao lume na wok, junte a massa e saltei durante uns 3 minutos.

Sirva com umas rodelas de pimento fresco e caso goste umas lascas de parmesão.


Açorda de pimentos com vieiras



Quando o sol aperta a vontade das férias acresce ainda mais, que saudades de andar todo o dia de chinelos, comer até mais não (esta é uma das minhas partes favoritas como devem calcular), apanhar sol, não ter horários, é mesmo um recarregar de baterias. 

Mas como as férias ainda vêm lá longe, decidi recordá-las com umas vieiras. Ai que saudades das minhas vieiras francesas, acrescentei-lhes um pouco de manteiga... Porque vieiras sem manteiga é quase como comer caracóis sem pão torrado, custa não custa? Para acompanhar fiz uma açorda normal porque havia pão a mais no armário, juntei-lhe um pimento vermelho que lhe deu um toque muito saboroso. 

Todos adoraram cá em casa, até o mais novo! Que já como como gente grande, só me imagino daqui alguns anos a fazer comida naquelas panelas grandes e achar que não é o suficiente para todos.

Este sol é maravilhoso demais para eu estar para aqui toda nostálgica. Por isso vamos aproveitar o bom tempo, porque normalmente o mês de abril gosta muito de brincar connosco.

Boa semana!



. Receitas para 4 pessoas .

Ingredientes açorda:
300 gr de pão do dia anterior (usei malte e centeio)
4 dentes de alho
1/2 molho de coentros frescos (25 gr)
1 gema de ovo
1/2 pimento vermelho
1 pitada de noz moscada
1 pitada de tagine
Sal (usei de aipo)
Pimenta preta
Azeite q.b.
100 ml de leite

Numa taça coloque o pão com o leite e cubra o restante com água. Deixe repousar pelo menos durante 30 minutos.

Entretanto numa panela coloque o azeite, os dentes de alho, os talos dos coentros e o pimento cortado em pedaços grosseiros e saltei uns 5 minutos. Retire do lume, pique tudo numa picadora ou num robot de cozinha e volte a colocar no tacho em lume baixo.

Tempere com sal , pimenta, rale a noz moscada e a adicione a pitada da tagine, envolva e adicione o pão escorrido.

Envolta até este absorver os sabores do preparado anterior e caso sinta que fica um pouco seco, adicione água quente pouco a pouco.

Retire do lume, envolva a gema do ovo e os coentros.

Ingredientes vieiras:
200 gr de vieiras
2 dentes de alho
1 colher de sopa de manteiga
2 colheres de sopa de vinagre balsâmico em creme
4 colheres e água
Sal q.b.
Pimenta preta q.b.

Numa frigideira anti-aderente, junte a manteiga os dentes de alho e deixe fritar uns minutos, adicione as vieiras, frite-as aproximadamente 1/2 minutos de cada lado e retire-as.

Na mesma frigideira junte o vinagre balsâmico em creme, a água, os temperos e depois do molhos estar apurado, regue por cima das vieras.

Bom apetite!




Bolo salgado de tomate

Há algum tempo o meu marido disse-me que o blog fez de mim uma pessoa mais sociável. Eu acho que sempre fui, mas daí a falar com um desconhecido na rua vai muito. Mas e se essa pessoa for minha seguidora no Instagram? Souber dos meus gostos, dos restaurantes onde frequento, dos livros que compro e etc... É meio caminho andado para ficar numa conversa durante algum tempo. Ter um blog é um bocado individualista, escreves o que queres, como queres, fotografas o que bem te apetece e partilhas apenas o que te faz sentir bem. Confesso que o meu marido até tem uma certa razão, conhecer pessoas através do blogue é muito fácil, sejam elas outras bloggers com os mesmo gostos que nós ou leitores que se metem connosco. Mas fazer dessas pessoas nossas amigas vai muito!

A palavra amigo para mim é muito forte, costumo dizer que tenho muitos conhecidos e poucos amigos. Tão poucos que provavelmente não enchem as minhas duas mãos! Amigos para mim são aqueles que, apesar de não os vermos todas as semanas ou irmos de férias com eles, estão sempre lá. Sempre lá para nos dar uma palavra de conforto ou simplesmente dizer ganha juízo pá! Ou aqueles amigos do tempo da escola que por vezes não falamos durante anos, mas que sabemos que se os encontrarmos amanhã vai ser tudo igual e vamos rir que nem uns perdidos como fazíamos no passado. Isso para mim é um amigo, alguém que não se esquece de nós, que nos chama à razão ou até nos manda à m&rd@ volta e meia. 

Será que os conseguimos ter online? A minha resposta é sim eu tenho duas, que vivem a kilómetros de distância, que têm a vida delas e eu a minha, que muito provavelmente só nos conseguimos ver uma vez por ano porque a vida não dá para mais, mas que estão ali, ao virar de um "click", com uma palavra amiga e uma gargalhada virtual que sabe sempre tão bem.

E hoje a minha amiga Maria João Clavel lança um livro, um livro que é tão ela e que eu tive o prazer de acompanhar com muita felicidade. Nunca duvidei que isto fosse acontecer, sempre foi o seu sonho e se há coisas que ela faz bem é realizar sonhos, já fez com que eu realizasse um em tempos, lembram-se? É uma lutadora, uma mãe exemplar, uma pessoa que não baixa as mãos para nada, que não tem papas na língua - não fosse ela uma mulher do norte! Estou muito feliz que este livro tenha saído, estou muito feliz que ela tenha dado tudo e que eu o tenha finalmente nas mãos.

Hoje trago uma receita escolhida por ela, do meu ingrediente preferido dos 12 que estão no livro, um bolo salgado de tomate cheio de sabor e óptimo para festejar a amizade. Vá e desculpem a lamechice, mas ela até paga bem para eu dizer estas coisas :) Comprem o livro que é lindo!

Nota: Post patrocinado pela amizade! 

Naida, caso queiras parceria eu para a semana posso falar de ti e de Pardilhó, tens é de pagar bem mais :)




. Receita para 4 a 6 pessoas .

Ingredientes
4 ovos
200 ml de azeite virgem extra
300 ml de leite
250 g de farinha de trigo integral
250 g de farinha de trigo
2 colher de chá de fermento em pó
sal q.b.
Pimenta-preta q.b.
1 colher de chá de caril (usei deste)
1 colher de sopa de pasta de pimentão
1 cebola roxa
1 chávena de tomate seco
1 chávena de tomates-cereja
1/2  chávena de azeitonas pretas sem caroço
2 colheres de sopa manjericão (usei 1 colher de sopa de oregãos)

Pré-aqueça o forno a 180ºC.

Coloque os ovos, o azeite e o leite numa taça e misture tudo. Adicione as farinhas, o fermento, o sal, a pimenta e o caril e misture.

Adicione a pasta de pimentão, a cebola, os tomates, as azeitonas e os oregãos e envolta tudo. Coloque numa forma untada com azeite e leve ao forno durante cerca de 30 minutos.