Couve napa com bacon

A comida chinesa é muito barata, pelo que vejo por aqui raramente as pessoas levam marmita para o trabalho, todos acabam por pedir as refeições onde quer que estejam. O meu marido já viu um estafeta a entregar numa fila de trânsito a um carro à sua frente, basta darem a localização do GPS que recebem o que quiserem em pouco tempo. É muito normal, prático e barato. Os estafetas aqui são às centenas a circular nas estradas e a variedade de comida é enorme. Eu também já mandei vir várias vezes e esta couve é uma das que peço quase sempre, normalmente acompanhar a beringela que publiquei há duas semanas e um arroz branco, fica uma refeição muito leve e saborosa.

A receita original não leva bacon, isto sou eu a dar um toque mais fumado e com um pouco mais de calorias eu sei, mas adoro. Se quiserem fazer a versão chinesa original basta omitirem o bacon, tudo o resto pode ser igual.  

Estou adorar este regresso ao blogue, tenho recebido imensas mensagens de carinho no Instagram. Ao mesmo tempo sinto que quero registar todas as refeições deliciosas que como por aqui, porque como sei que a minha estadia não será para sempre, tenho a certeza que quando regressar vou ter saudades e vou querer viajar até à China novamente na minha cozinha da margem sul. 

Por isso aqui vai mais uma das minhas refeições preferidas na China. 


* Receita para 2 pessoas

Ingredientes:
1 (600g) couve napa
150g de bacon
2 dentes de alho
1 colher de sopa de óleo de amendoim
1 colher de sopa de molho de soja
1 pitada de sal
1 pitada de caldo de galinha (em pó)

Corte a couve na horizontal e pedaços largos, eu só cortei a minha 1 vez. Lave e reserve.

Numa wok bem quente coloque o óleo de amendoim e deixe aquecer bem. Adicione o bacon cortado a gosto, deixe fritar um pouco. Junte a couve e deixe saltear durante uns minutos (esta couve é muito mais fina do que uma couve normal, se fizerem com uma couve-lombarda têm de cozinhar um pouco mais) e por fim, adicione os dentes de alho bem picados.

Antes de desligar, junte o molho de soja, o caldo de galinha e uma pitada de sal.

Desligue e sirva com arroz branco, ou arroz chinês como dizem os meus filhos.

*Bom apetite!

Batido de amêndoa e banana



Acho que daqui alguns anos quando falarmos de 2020 iremos ter mil e uma histórias para contar, provavelmente umas mais tristes que outras, mas acho que jamais esqueceremos a correria aos supermercados para comprar o fermento de padeiro, o papel higiénico e a loucura das danças do TikTok. De certeza que iremos recordar uma ou outra receita que reproduzimos vezes sem conta durante a primeira quarentena. A minha será certamente este batido. 

Recordo-me muito bem quando vi o vídeo no Instagram do David do blogue Green Kitchen Stories e de ter ficado maravilhada. De ir de máscara e luvas comprar os ingredientes e reproduzir na manhã seguinte. Inicialmente bebia exactamente como a receita original (nunca coloquei o óleo de coco porque não sou fã), mas com o passar do tempo fui adaptando até chegar a uma receita mais simples, a que vos mostro hoje. É um batido muito prático e saboroso. No vídeo ele chama-o de goodnight smoothie, mas eu confesso que nunca o bebi à noite, para mim sempre foi ideal para tomar ao pequeno-almoço. 

Não sou apreciadora de leite, simples então não o consigo mesmo beber, em criança bebia com nesquik e mais recentemente com café de cevada, por isso, este batido foi uma lufada de ar fresco para minhas manhãs. No entanto adoro bebida vegetal de amêndoa, e isto basicamente é uma espécie de bebida vegetal de amêndoa express. Depois a banana dá o doce extra que adoro e eu nesta versão juntei maracujá, porque aqui na China são muito doces e baratos. Mas sem grandes regras vou alterando a segunda fruta, também resulta muito bem com abacaxi, manga e melão. No entanto apenas com banana também é suficiente e fica muito bom e cremoso. Relativamente ao fruto seco, experimentei com caju e noz, mas não achei tão saboroso. Num dia de grande ansiedade, já com bastante tristeza por toda a situação e separação que estava a viver naqueles meses, adicionei 1 quadradinho de chocolate preto e soube-me pela vida. Se quiserem podem também juntar um pouco de chia, fica super bom. Eu não coloco sempre porque normalmente faço este batido para mim e para a minha filha Diana, que não gosta muito de sentir a textura da chia em sumo.


*Receita para 350ml

Ingredientes:
1 banana (135g)
30g de amêndoa com casca
1 rodela de gengibre
1 pitada de noz moscada
300 ml de água (usei fresca)
1 maracujá 

Numa liquidificadora coloque a banana, a amêndoa inteira, a rodela de gengibre sem a casca, uma pitada de noz moscada ralada e a água. Bata tudo na potência máxima durante uns 2 minutos que é para ficar um néctar bem cremoso.

Antes de servir, coloque meio de maracujá no fundo do copo e o outro meio por cima, para dar um crocante extra ao batido.

*Bom apetite

*receita inspirada daqui


Beringela com feijão-verde chinês

Ainda se lembram de mim? Espero que sim.

Acho que nunca tive tanto tempo sem escrever no blogue. Desde que vim viver para a China as receitas começaram a desaparecer, mas no início do ano passado tive um breve regresso com toda a força e até já tinha imensas receitas na manga para vos trazer, mas depois veio o maldito COVID 19, que basicamente F*#%" tudo! Desculpem a minha honestidade, mas não há outra palavra.

A minha última publicação tinha sido em março de 2020, quando ainda estava retida em Portugal com os meus filhos e o meu marido já tinha regressado à China para trabalhar. Eu apenas consegui regressar em agosto, foram 6 meses de sufoco sem saber quando o voltaria a ver. Depois toda a preparação para a viagem foi muito complexa, tanto a documentação como a logística de levar duas crianças pequenas numa viagem tão longa. Mas conseguimos, fizemos um total de 4 testes Covid e uma quarentena de 14 dias num hotel à chegada. Chegámos e foi como se um peso me saísse de cima. Posso-vos garantir de que dificilmente me meto num avião sem o meu marido para o resto da minha vida. 

Sei que o maldito vírus ainda anda assombrar muitas famílias e teima em sair das nossas vidas, mas para mim não foi só o vírus e os cuidados que tivemos que ter com ele. A separação da família fez com que as forças me faltassem para vir até aqui e publicar só porque tinha receitas, porque seria sem coração e isso para mim não dá.

Ah e tal chegaste em agosto e estamos em maio de 2021. Então o que andaste a fazer estes meses todos? A comer, a passear, a ver a China, a gozar a nossa família ao máximo. 

No entanto no início deste ano a minha filha mais nova entrou no infantário e eu fiquei com mais tempo para mim. Comprei uns props (que os meus tinham ficado todos em Portugal) e pedi à senhora que me ajuda cá em casa para me dar umas aulas de culinária chinesa. Adoro a maneira como ela cozinha, diz que é comida simples e que a faz para a família como todas nós diariamente. Da minha experiência gastronómica de 2 anos a viver aqui, escolhi alguns dos meus pratos preferidos e pedi que me explicasse as técnicas que eles usam. Vou tentar trazer algumas dessas receitas nos próximos tempos, no entanto, caso queiram adaptar estão à vontade, eu tentarei ser o mais fiel ao que ela me foi explicando. 

Mas este meu regresso foi também muito graças a três meninas da blogosfera nacional. A Naida que estava farta de me chatear para eu ouvir o Podcast da Teresa "Os ouvidos também comem", que é muito giro, aconselho muito a ouvirem se gostarem de aprender coisas das diferentes áreas da gastronomia, eu sinto que aprendi imenso. A própria da Teresa que me acompanhou com a sua voz durante uma maratona onde literalmente passei umas duas semanas a ouvir falar de comida durante o meu dia. Adorei e senti uma nostalgia enorme, comecei a ter pena de deixar "morrer" um blogue de receitas que já tem mais de 12 anos e dei por mim a carregar a bateria da maquina fotográfica e a voltar a fotografar enquanto ouvia o Podcast e soube tão bem. Por fim à Clavel, que está sempre pronta para ajudar e incentivar as pessoas a voarem mesmo que tenham medo de alturas.

Espero que desta vez fique por mais algum tempo, ou até quando o meu coração quiser, porque ele aqui é quem manda. Hoje estou feliz por estar novamente a escrever, amanhã já não sei. 

Trago-vos então uma das minhas receitas preferidas da minha região. É uma receita muito simples, vegetariana, mas que tem um sabor único, que ficará para sempre gravado na minha memória como o sabor de comida chinesa de conforto. A cremosidade da beringela, o crocante do feijão-verde e o sabor do molho de soja porque haverá lá comida chinesa sem soja? Se quiserem reproduzir este prato, esqueçam o azeite, peguem num bom óleo de amendoim , numa wok bem quente e não tenham medo de abusar no molho de soja, porque só assim vos saberá a comida chinesa de verdade. 


*Receita para 4 pessoas

Ingredientes:
260g de feijão-verde
250g de beringela
2 dentes de alho
2 rodelas de gengibre
2 colheres de sopa de óleo de amendoim
2 colheres de sopa de molho de soja
1 colher de sobremesa de açúcar
50 ml de água
1 fio de óleo de sésamo
1 pitada de sal
1 pitada de caldo de galinha em pó (opcional)

Comece por cortar a beringela a gosto e colocar numa tigela com água, sal e reserve.

Corte o feijão-verde (o feijão chinês é enorme e deve ser partido manualmente), se fizerem com o feijão-verde português basta tirar o fio e partirem ao meio . Coloque o feijão numa panela com água a ferver, durante aproximadamente 3 minutos (cuidado que não deve cozer demasiado) deve ficar muito crocante porque ainda vai a saltear. Depois de ligeiramente cozido deve ser colocado rapidamente colocado numa tigela com água fria, para manter o crocante.

Entretanto retire a beringela da água e usando as mãos retire o excesso da água ao máximo.

Numa pequena tigela junte o molho de soja, o açúcar, a água e com ajuda de uma vara de arames pequena (ou os pauzinhos chineses), misture bem e reserve.

Numa wok bem quente adicione 2 colheres de sopa de óleo de amendoim, deixe aquecer bastante, adicione os dentes de alho e o gengibre, deixe saltear uns segundos e de seguida adicione a beringela e o óleo de sésamo. Deixe cozinhar uns minutos e por fim, junte o feijão-verde igualmente bem escorrido. Saltei tudo muito bem sem parar de mexer (se quiser fazer à maneira chinesa use os pauzinhos).

Antes de desligar, adicione a mistura do molho de soja, 1 pitada de sal, 1 pitada de caldo de galinha e mexa tudo muito bem, prove para verificar os temperos e sirva de imediato com um arroz branco.

*Bom apetite


Bolo de chocolate na liquificadora


Quarentena, como assim novamente em quarentena? Se me dissessem isto há uns meses não acreditaria, nem eu nem ninguém? Tenho uma amiga que me diz que o Covid 19 anda a perseguir-me e eu começo acreditar nisso, pelo menos desde Janeiro que me anda a dar voltas à vida. 

Esta semana deveria ter regressado à China e ter começado a minha vida normal, se bem que eu acho que depois disto, nenhum de nós terá uma vida normal novamente. Pelo que consta na China o contágio está cada vez menor, o meu marido diz que a vida parece ter voltado quase à normalidade, as lojas já estão praticamente abertas, o transito a caminho do trabalho já é bastante e os mercados já estão cheios de vida. No entanto as mascaras continuam a ser usadas por todos e isso faz com que o medo ainda se sinta. Mas atenção que usar máscara na China é cultural, acho que cerca de 30% da população usa diariamente já algum tempo. Uns pela poluição, outros porque estão a começar uma constipação, outros porque é fashion. Há mascaras de todas as cores, com bonecos, caveiras, brilhantes... principalmente nos adolescentes são quase que um acessório é estranho eu sei, também senti isso quando me mudei. 

Sem querer chatear muito, porque não se fala de outra coisa em todo o lado, espero que a Europa consiga combater este maldito vírus e que em breve todos possamos voltar às nossas vidas, falo por mim, que tenho metade do meu coração na China e mal vejo a hora de o voltar abraçar.

Tem sido engraçado ver no Instagram a quantidade de pessoas a fazerem bolos e pão, tanto que eu não consegui encontrar fermento para pão em lado nenhum, como oficialmente ainda estou numa casa de "férias" não tinha esse tipo de coisas em casa e quando fui comprar já era tarde demais. É estranho estar a passar uma quarentena na minha casa e ter todas as coisas que me dão jeito a tantos quilómetros daqui, confesso que nunca tive tantas saudades da Bimby e da minha batedeira. Já no ano passado durante as férias tinha sentido isso, mas como foram 8 semanas e acabamos por ir imensas vezes fazer refeições fora, até consegui lidar com a situação. Agora de quarentena está a ser muito difícil, a Bimby é um robot de cozinha muito completo e dá imenso jeito no dia-a-dia. A minha sogra este ano deu-me uma liquidificadora, um pouco para ajudar a passar as sopas dos meus filhos e mal iria eu pensar que ia trabalhar todos os dias. Faço os meus sumos de manhã, faço bolos, trituro os molhos e trituro os cremes para os mais novos... está a ser uma grande ajuda. 

Este bolo foi feito na liquidificadora, fiz a versão de chocolate para vocês mas basta omitirem o cacau e adicionarem o sumo e raspa de uma laranja ou limão que fica igualmente bom, eu já fiz e adorámos. É um bolo simples, porque não necessita de balança, basta uma taça ou chávena para fazer as medições e já está.

Para aqueles que têm oportunidade de ficar em casa aproveitem, façam bolos, vejam filmes, brinquem com os vossos filhos, entrem no espírito da Marie Kondo e organizem as vossas coisas, porque não tarda o maldito vírus será detonado e este tempo ninguém vos tira.
 

* Receita para 6 pessoas

Ingredientes:
1 chávena (de chá) de óleo (usei de girassol)
1 chávena (de chá) de leite (usei meio gordo de vaca)
2 ovos (L)
1 chávena (de chá) de chocolate em pó 
1 chávena (de chá) de açúcar mascavado
2 chávenas (de chá) de farinha de trigo
1 colher (de sopa) de fermento

Pré-aqueça o forno a 180º.

Coloque numa liquidificadora o óleo, o leite, os ovos, o chocolate e o açúcar. Bata bem até ficar bem misturado. Acrescente a farinha de trigo e bata novamente (não precisa bater muito, só até misturar). Acrescente o fermento e misture levemente, não precisa bater. Eu usei a tecla pulsar da liquidificadora. Coloque a massa em uma forma untada com manteiga e enfarinhada ou com spray para bolos. 

Leve ao forno a 180º pelo menos durante 30 minutos, ou até o teste do palito sair limpinho. 

Depois de retirar do forno, deixe-o descansar durante 10 minutos só depois desenforme.


*Bom apetite

Receita retirada daqui




Pineapple fried rice (Arroz frito com ananás)


Aqui vai a minha primeira receita Asiática desde que vivo na China e estranhamente feita em Portugal, se eu alguma vez pensei que isto fosse acontecer, confesso que nunca! Já cá estamos há 1 mês e agora apenas três, o meu marido teve de regressar por motivos profissionais e eu fiquei com os meus filhos por mais umas semanas. 

Este mês passou a correr, estar aqui sozinha com os mais novos também não me dá muito tempo para ver o tempo passar se é que me faço intender... estão a ser umas férias forçadas muito boas, mas nota-se que já começamos a sentir falta da rotina e do nosso cantinho na China, todos nós. Também não ajuda ainda não termos o voo de regresso marcado, então parece que estamos um bocadinho perdidos no tempo.

Como eu já vos disse anteriormente viver na China não significa comer arroz todos os dias, sim eles comem muito arroz e sim existe o famoso arroz chau chau que estamos habituados a comer nos restaurantes Chineses em Portugal, ou seja, o fried rice. Um arroz normalmente cozido a vapor sem qualquer tempero que depois salteado numa wok com molho de soja e mais o que lhes apetecer juntar. 

O meu fried rice preferido é sem dúvida o de ananás, que é mais usado em países como a Tailândia ou no Vietname, recordo a primeira vez que comi este arroz, foi num restaurante Vietnamita maravilhoso chamado Tiger Prawn que existe na minha cidade, acho vocês já sabem que eu adoro a comida Vietnamita, não é? Lembro-me de ter ficado maravilhada com a frescura que o ananás dá a este arroz, aliado ao crocante e salgado dos frutos secos, com o toque fumado camarão é sem dúvida uma junção de sabores perfeita e muito agridoce. Mais tarde quando fomos ao Vietname comprovei como maravilhoso é este arroz, comemos bastante por lá, muito por ser daqueles pratos que sabemos que todos vão gostar e é óptimo para as crianças comerem.

Deixo-vos a minha receita, um pouco portuguesada mas com a essência que o prato precisa, espero que gostem e vos faça viajar um bocadinho sem sair de casa.

 * Receita para 4 pessoas

Ingredientes:
200g de miolo de camarão 40/60 
óleo vegetal ou de amendoim q.b.
pimenta q.b.
200g de arroz Thai 
50g de ervilhas (usei congeladas) 
2 dentes de alho
90g de pimento vermelho 
30g de cebolinha 
100g de ananás ou abacaxi
5g de cebolinho 
1 colher de sopa de coentros picados 
5/6 colheres de sopa de molho de soja
sal q.b. ou molho de peixe
1 colher de sopa de açúcar mascavado
2 mãos cheias de amendoim ou caju (eu usei amendoim com sal)
raspa de 1 limão

Comece por aquecer bem uma frigideira ou wok antiaderente, adicione um fio de óleo e de seguida um dente de alho picado, deixe alourar uns segundos e junte o camarão descascado, tempere com uma pitada de pimenta, salteie  até ficar bem dourado em ambos os lados e reserve.

Coza o arroz com água ou a vapor, caso queira usar molho de peixe, não adicione sal na cozedura. Não coza demasiado o arroz, retire do lume antes de chegar ao "al dente", porque como ainda vai saltear irá acabar pode cozer um pouco mais na frigideira. Quando o retirar do lume, escoe-o e de seguida passe-o por água corrente e reserve. Faça o mesmo processo às ervilhas.

Na mesma frigideira usada para a preparação dos camarões, sem lavar, volte adicionar um fio de óleo, o alho e a cebolinha picados e saltei durante 1 minuto, junte o molho de soja e o de peixe (caso não esteja a usar sal), junte também o açúcar e mexa até este derreter. De seguida junte o pimento picado em pedaços pequenos e 1/3 colheres de sopa de água, para cozinhar um pouco o pimento (1 a dois minutos). Junte o ananás cortado em pequenos cubos e deixe caramelizar. Por fim adicione o arroz e as ervilhas, saltei sem parar de mexer durante uns 2 minutos e retire do lume. Junte as ervas aromáticas, a raspa de limão, o miolo de camarão reservado e os amendoins partidos grosseiramente e envolva muito bem ao arroz.

Sirva de seguida com ou sem pauzinhos.

*Bom apetite