Bolo de chocolate na liquificadora


Quarentena, como assim novamente em quarentena? Se me dissessem isto há uns meses não acreditaria, nem eu nem ninguém? Tenho uma amiga que me diz que o Covid 19 anda a perseguir-me e eu começo acreditar nisso, pelo menos desde Janeiro que me anda a dar voltas à vida. 

Esta semana deveria ter regressado à China e ter começado a minha vida normal, se bem que eu acho que depois disto, nenhum de nós terá uma vida normal novamente. Pelo que consta na China o contágio está cada vez menor, o meu marido diz que a vida parece ter voltado quase à normalidade, as lojas já estão praticamente abertas, o transito a caminho do trabalho já é bastante e os mercados já estão cheios de vida. No entanto as mascaras continuam a ser usadas por todos e isso faz com que o medo ainda se sinta. Mas atenção que usar máscara na China é cultural, acho que cerca de 30% da população usa diariamente já algum tempo. Uns pela poluição, outros porque estão a começar uma constipação, outros porque é fashion. Há mascaras de todas as cores, com bonecos, caveiras, brilhantes... principalmente nos adolescentes são quase que um acessório é estranho eu sei, também senti isso quando me mudei. 

Sem querer chatear muito, porque não se fala de outra coisa em todo o lado, espero que a Europa consiga combater este maldito vírus e que em breve todos possamos voltar às nossas vidas, falo por mim, que tenho metade do meu coração na China e mal vejo a hora de o voltar abraçar.

Tem sido engraçado ver no Instagram a quantidade de pessoas a fazerem bolos e pão, tanto que eu não consegui encontrar fermento para pão em lado nenhum, como oficialmente ainda estou numa casa de "férias" não tinha esse tipo de coisas em casa e quando fui comprar já era tarde demais. É estranho estar a passar uma quarentena na minha casa e ter todas as coisas que me dão jeito a tantos quilómetros daqui, confesso que nunca tive tantas saudades da Bimby e da minha batedeira. Já no ano passado durante as férias tinha sentido isso, mas como foram 8 semanas e acabamos por ir imensas vezes fazer refeições fora, até consegui lidar com a situação. Agora de quarentena está a ser muito difícil, a Bimby é um robot de cozinha muito completo e dá imenso jeito no dia-a-dia. A minha sogra este ano deu-me uma liquidificadora, um pouco para ajudar a passar as sopas dos meus filhos e mal iria eu pensar que ia trabalhar todos os dias. Faço os meus sumos de manhã, faço bolos, trituro os molhos e trituro os cremes para os mais novos... está a ser uma grande ajuda. 

Este bolo foi feito na liquidificadora, fiz a versão de chocolate para vocês mas basta omitirem o cacau e adicionarem o sumo e raspa de uma laranja ou limão que fica igualmente bom, eu já fiz e adorámos. É um bolo simples, porque não necessita de balança, basta uma taça ou chávena para fazer as medições e já está.

Para aqueles que têm oportunidade de ficar em casa aproveitem, façam bolos, vejam filmes, brinquem com os vossos filhos, entrem no espírito da Marie Kondo e organizem as vossas coisas, porque não tarda o maldito vírus será detonado e este tempo ninguém vos tira.
 

* Receita para 6 pessoas

Ingredientes:
1 chávena (de chá) de óleo (usei de girassol)
1 chávena (de chá) de leite (usei meio gordo de vaca)
2 ovos (L)
1 chávena (de chá) de chocolate em pó 
1 chávena (de chá) de açúcar mascavado
2 chávenas (de chá) de farinha de trigo
1 colher (de sopa) de fermento

Pré-aqueça o forno a 180º.

Coloque numa liquidificadora o óleo, o leite, os ovos, o chocolate e o açúcar. Bata bem até ficar bem misturado. Acrescente a farinha de trigo e bata novamente (não precisa bater muito, só até misturar). Acrescente o fermento e misture levemente, não precisa bater. Eu usei a tecla pulsar da liquidificadora. Coloque a massa em uma forma untada com manteiga e enfarinhada ou com spray para bolos. 

Leve ao forno a 180º pelo menos durante 30 minutos, ou até o teste do palito sair limpinho. 

Depois de retirar do forno, deixe-o descansar durante 10 minutos só depois desenforme.


*Bom apetite

Receita retirada daqui




Pineapple fried rice (Arroz frito com ananás)


Aqui vai a minha primeira receita Asiática desde que vivo na China e estranhamente feita em Portugal, se eu alguma vez pensei que isto fosse acontecer, confesso que nunca! Já cá estamos há 1 mês e agora apenas três, o meu marido teve de regressar por motivos profissionais e eu fiquei com os meus filhos por mais umas semanas. 

Este mês passou a correr, estar aqui sozinha com os mais novos também não me dá muito tempo para ver o tempo passar se é que me faço intender... estão a ser umas férias forçadas muito boas, mas nota-se que já começamos a sentir falta da rotina e do nosso cantinho na China, todos nós. Também não ajuda ainda não termos o voo de regresso marcado, então parece que estamos um bocadinho perdidos no tempo.

Como eu já vos disse anteriormente viver na China não significa comer arroz todos os dias, sim eles comem muito arroz e sim existe o famoso arroz chau chau que estamos habituados a comer nos restaurantes Chineses em Portugal, ou seja, o fried rice. Um arroz normalmente cozido a vapor sem qualquer tempero que depois salteado numa wok com molho de soja e mais o que lhes apetecer juntar. 

O meu fried rice preferido é sem dúvida o de ananás, que é mais usado em países como a Tailândia ou no Vietname, recordo a primeira vez que comi este arroz, foi num restaurante Vietnamita maravilhoso chamado Tiger Prawn que existe na minha cidade, acho vocês já sabem que eu adoro a comida Vietnamita, não é? Lembro-me de ter ficado maravilhada com a frescura que o ananás dá a este arroz, aliado ao crocante e salgado dos frutos secos, com o toque fumado camarão é sem dúvida uma junção de sabores perfeita e muito agridoce. Mais tarde quando fomos ao Vietname comprovei como maravilhoso é este arroz, comemos bastante por lá, muito por ser daqueles pratos que sabemos que todos vão gostar e é óptimo para as crianças comerem.

Deixo-vos a minha receita, um pouco portuguesada mas com a essência que o prato precisa, espero que gostem e vos faça viajar um bocadinho sem sair de casa.

 * Receita para 4 pessoas

Ingredientes:
200g de miolo de camarão 40/60 
óleo vegetal ou de amendoim q.b.
pimenta q.b.
200g de arroz Thai 
50g de ervilhas (usei congeladas) 
2 dentes de alho
90g de pimento vermelho 
30g de cebolinha 
100g de ananás ou abacaxi
5g de cebolinho 
1 colher de sopa de coentros picados 
5/6 colheres de sopa de molho de soja
sal q.b. ou molho de peixe
1 colher de sopa de açúcar mascavado
2 mãos cheias de amendoim ou caju (eu usei amendoim com sal)
raspa de 1 limão

Comece por aquecer bem uma frigideira ou wok antiaderente, adicione um fio de óleo e de seguida um dente de alho picado, deixe alourar uns segundos e junte o camarão descascado, tempere com uma pitada de pimenta, salteie  até ficar bem dourado em ambos os lados e reserve.

Coza o arroz com água ou a vapor, caso queira usar molho de peixe, não adicione sal na cozedura. Não coza demasiado o arroz, retire do lume antes de chegar ao "al dente", porque como ainda vai saltear irá acabar pode cozer um pouco mais na frigideira. Quando o retirar do lume, escoe-o e de seguida passe-o por água corrente e reserve. Faça o mesmo processo às ervilhas.

Na mesma frigideira usada para a preparação dos camarões, sem lavar, volte adicionar um fio de óleo, o alho e a cebolinha picados e saltei durante 1 minuto, junte o molho de soja e o de peixe (caso não esteja a usar sal), junte também o açúcar e mexa até este derreter. De seguida junte o pimento picado em pedaços pequenos e 1/3 colheres de sopa de água, para cozinhar um pouco o pimento (1 a dois minutos). Junte o ananás cortado em pequenos cubos e deixe caramelizar. Por fim adicione o arroz e as ervilhas, saltei sem parar de mexer durante uns 2 minutos e retire do lume. Junte as ervas aromáticas, a raspa de limão, o miolo de camarão reservado e os amendoins partidos grosseiramente e envolva muito bem ao arroz.

Sirva de seguida com ou sem pauzinhos.

*Bom apetite



Creme de cogumelos


Pronto já falhei uma semana com receita nova, a "coisa" estava a correr bem, até ter de fazer a mala de um dia para o outro e vir até à minha margem sul apanhar ar puro, não me esqueci de trazer a máquina fotográfica, mas com ela vieram também dois pequenos diabretes sempre atrás de mim a querer atenção. As primeiras semanas foram da família e todo aquele rally tascas do costume, porque afinal de contas ainda foram 6 meses longe de casa e das coisas que mais temos saudade é da comida.

Mas hoje consegui publicar mais uma receita para vocês, um creme que é basicamente das sopas que mais se consome cá por casa, porque com duas crianças pequenas a variedade de sopas começa pelos cremes e acaba na canja.

Por acaso já não fazia um creme de cogumelos alguns anos, mas durante o nosso regresso a Portugal comemos um creme de cogumelos no avião, eu sei que as refeições servidas no avião são por vezes aborrecidas e sem sabor, mas aquele creme, estava particularmente delicioso e como foi servido já no segundo voo com destino a Lisboa, onde já íamos com bastantes horas de avião em cima, o cansaço fez com que parecesse que estávamos a comer uma sopinha da minha mãe. Lembro-me de o estar a comer e a pensar que quando chegar tinha de fazer um creme de cogumelos novamente.

Claro que este não é um creme habitual, fi-lo com a intenção de ser para nós e para os meninos, daí ser mais consistente e não ter tão acentuado o sabor dos cogumelos, vocês podem fazer algo mais leve retirando a batata e a couve-flor, juntar um pouco mais de cogumelos e no fim umas natas, eu só não o fiz, porque estava com receio que os mais novos não fossem gostar do sabor.

Ora vamos lá ver se conseguirei manter as receitas no meio de tanto iogurte líquido que tenho bebido!


* Receita para 6/8 pessoas*

Ingredientes creme:
2 colheres de sopa de azeite
1 batata pequena
1 cebola
800g de couve-flor
1 courgette
300g de cogumelos marron
Sal q.b.
Pimenta e mostarda em grão q.b.

Ingredientes pesto:
1 molho de coentros (50g)
50g de pão do dia anterior
1 dente de alho (pequeno)
Azeite q.b.
Água

Numa panela grande coloque um fio de azeite e todos os legumes cortados grosseiramente, refogue tudo durante uns minutos sem deixar e mexer e de seguida regue com água, até os cobrir completamente.

Deixe cozinhar pelo menos durante 30 minutos em lume médio.

Enquanto os legumes cozinham pode preparar o pesto, num robot de cozinha ou com ajuda de uma varinha mágica, coloque todos os ingredientes (excepto o azeite) e pique até atingir uma pasta homogênea. Eu normalmente enquanto estou a picar gosto de ir adicionando o azeite em fio até atingir a consistência de um pesto e gosto também de juntar uma ou 2 colheres de água para picar melhor.

Por fim coloque num frasco de vidro e reserve n frigorifico.

Voltando ao creme, triture todos os ingredientes com uma varinha mágica ou um robot de cozinha até atingir um creme bem aveludado, tempere com sal e pimenta/mostarda e sirva um fio de pesto por cima de cada tigela.

Esta receita de pesto rende bastante, pode deixar no frigorifico durante 1/2 semana e ir utilizando nos cozinhados, por exemplo, é óptimo para juntar a refogados e massas.

*Bom apetite



Caril de frango


Fiz esta receita e fotografias ainda na China, digo ainda porque efetivamente regressámos a semana passada, foi uma verdadeira loucura nunca fiz uma mala de viagem tão rapidamente na vida. Não tencionávamos voltar porque ao contrário do que a comunicação divulga, desde já digo que é muito mais assustador e por vezes ridículo, na nossa província as coisas estão a começar andar, não há perigo e nem fronteiras cortadas e aos poucos as coisas estão a começar a voltar à normalidade. As escolas reabrem dia 17 de fevereiro e as entregas já começam a ser feitas. Até o meu pão maravilhoso vai recomeçar a ser entregue esta semana. A meu ver o governo Chinês esteve a controlar a situação bastante bem e ao ter alargado os feriados do ano novo chinês (que criou o tal caos da pouca alimentação) fez com que a situação se tornasse muito menos grave.

Voltámos porque a empresa do meu marido assim nos permitiu, apenas por segurança e burocracias empresariais, mas em breve voltaremos todos para a China.

O Inverno na China é muito diferente do Inverno Português, da minha experiência que ainda é pouca porque só vou no segundo inverno, começa a ficar mais fresco em Dezembro mas depois esfria muito rapidamente. Imaginem começarmos o dia com 6ºc e depois de almoço termos uns 20ºc é realmente muito estranho. Há alturas em que parece que vivemos as 4 estações do ano apenas num dia. Mas sabe bem quando vem o frio, porque o verão é muito duro, é muito húmido e quente, temos de ter sempre o ar condicionado ligado senão passamos muito mal, bem diferente do verão de Portugal.

Caril para mim é uma refeição para todo o ano, não me importo de o comer no Verão porque acompanhado de uma limonada é maravilhoso. Faço muitas vezes caril cá em casa, ultimamente até tenho feito com esparguete, mas com arroz é sempre mais saboroso. Gosto também de adicionar maçã, aprendi esta dica com uma colega de trabalho, fica saboroso no caril de gambas por exemplo. 

Nesta receita adicionei antes grão, um pouco devido ao clima que se viveu na China nas últimas semanas e da correria que houve até aos supermercados, acabei eu também por meter umas leguminosas que trouxe de Portugal a demolhar e a cozer, para ter congeladas durante mais tempo e acabou por me sobrar um bocado de grão que adicionei neste caril e numa sopa para os mais novos.


* Receita para 4 pessoas

Ingredientes caril:
2 colheres de sopa de azeite
2 colheres de sopa de caril em pó
190 g de cebola branca
1 talo de aipo (10cm)
5 g de gengibre fresco 
2 dentes de alho
120 g de tomate 
4 fatias de bacon
2 peitos de frango sem pele
50ml de vinho branco
sal q.b.
250 g de grão de bico cozido
200 ml de leite de coco biológico
1 colher de sopa de coentros frescos

Numa panela grande aqueça o azeite e adicione o caril, deixe alourar uns segundos para libertar os óleos e de seguida junte a cebola picada, o alho e aipo picados, deixe alourar até a cebola ficar translúcida e junte os tomates adicione também 2/4 colheres de sopa de água tépida e deixe cozinhar até o tomate ficar desfeito. Retire e coloque o preparado numa liquidificadora, junte mais um pouco de água se achar que não vá triturar bem, triture e reserve.

No mesmo tacho, sem ser necessário limpar e nem colocar nenhuma gordura, ligue o lume e quando o tacho estiver bem quente junte o bacon cortado em pedaços grosseiros, deixe aloirar e libertar a gordura, de seguida junte o frango cortado em pedaços pequenos e misture bem até a carne aloirar.

Depois do frango estar bem tostado, junte o vinho e deixe cozinhar até evaporar. Junte o molho de caril reservado e cozinhe tudo pelo menos uns 20 minutos, até a carne ficar bem cozinhada. 

Coloque o tacho em lume brando e junte o grão de bico, os coentros, o sal e o leite de coco. Deixe cozinhar em lume baixo durante 5 minutos.

Sirva com um pouco de mostarda em grão e uns gomos de limão.

Ingredientes arroz:
50g de cebola branca
1 dente de alho
2 rodelas de gengibre fresco
2 pedaços de aipo (tamanho de um alho)
1 colher de chá de sal
300 g de arroz basmati
1 litro de água

Aqueça num tacho médio o azeite e junte a cebola ficada, o alho, o gengibre, o aipo cortados em pedaços pequenos e deixe refogar uns minutos até a cebola ficar translúcida.  

Junte o arroz, o sal e a água e deixe cozinhar até a água evaporar.

Sirva com o caril


* Bom apetite *


Bolo de cenoura


Aqui estou eu toda assídua, pareço aquelas crianças no inicio escolar que não faltam às aulas e têm o caderno todo organizadinho. Confesso que agora até estou a conseguir gerir bem o tempo, mesmo nas duas semanas de férias devido ao ano novo Chinês, onde estivemos alguns dias fora e agora com toda a confusão do vírus. Por aqui estamos bem, mas criou uma grande confusão no dia a dia dos chineses, principalmente nas compras, eles são daquelas pessoas que vão todos os dias às compras bem cedo ou ao final do dia, não têm hábito de encher o carrinho ou ir ao mercado de rua comprar para a semana toda, como nós fazemos, acho que entraram um bocado em pânico e esgotaram os corredores do arroz e dos legumes em dois dias, mas acredito que a coisa volte ao normal em breve.

Quando me mudei para a China lembro-me de perguntar à minha amiga Ângela, que já cá vivia há mais de um ano, então e o pão? Ela disse-me que tinha andado um ano a fazer pão, até descobrir um Francês que se mudou para a China e criou uma padaria maravilhosa e que fazia entregas na nossa zona. Que mais é que se pode pedir? O pão é maravilhoso e a pastelaria também. Em conversa com ele disse-nos que os Chineses adoram tudo o que é Europeu, o que para nós já não é novidade, no entanto pão é algo que eles não consomem como nós e ele vende imenso, disse que produz imensos canelés todas as semanas o que é extraordinário, eu que em Portugal para os comer tinha que os fazer, na China posso comer todas as semanas, de facto há com cada coisa.

Isto para vos dizer que de pão estou satisfeita, apesar de ser mais caro do que qualquer pão em Portugal, vale muito a pena. Acho que só quem já viveu fora é que sabe o bom que é comer um pão com manteiga longe do nosso país.

No entanto existe cá em casa um menino que não come pão ao pequeno almoço, sim isso é possível? Não, não é nenhum dos mais novos. É mesmo o meu marido, um Parisiense que tem quase 40 anos e que o pequeno almoço dele até virmos para a China eram bolachas de chocolate e leite com café, isto todos os dias, inacreditável eu sei! Pelo o que ele diz por aqui as bolachas são diferentes, as deles, não são nada boas e as importadas são demasiado doces, do tipo Oreo. E onde entro eu no meio disto tudo? A fazer bolos e mais bolos todas as semanas para satisfazer o marido, ora um está demasiado doce, ora outro seco demais para comer de manhã, ando nisto já há um ano! Andei algum tempo a fazer o pão de ló de água da Bimby, que é muito bom, mas depois fartou-se e agora estamos já algum tempo numa de bolo de cenoura. Esta receita base tirei-a da Bimby, é um bolo muito rápido de fazer e fica muito saboroso. Substitui metade do açúcar branco por açúcar de coco, para ficar mais húmido. Tentei fazer com a quantidade toda de açúcar de coco mas achei que ficava demasiado denso e caro, porque tal como em Portugal o açúcar de coco aqui também é bastante caro. Essa substituição do açúcar faz com que ele fique menos laranja, caso o façam com o açúcar branco, ficará bem mais parecido a um bolo de cenoura habitual. Caso queiram elevar a outro patamar podem derreter um pouco de chocolate por cima. Nós cá em casa preferimos assim, digo nós porque apesar destas tentativas de bolos serem para o pequeno almoço do meu marido, há sempre mais 3 boquinhas prontas a comer um bolinho todas as semanas.

Caso queiram fazer a receita, aqui vai e nem precisam de usar máscara! ;)



*6 doses

Ingredientes:
230 g de cenoura
4 ovos
150 ml de óleo vegetal (usei de amendoim)
150g de açúcar de coco
100g de açúcar branco
275g de farinha sem fermento
1 colher de chá de fermento para bolos

Pré aqueça o forno a 180º.

Unte uma forma de 20 cm com manteiga e farinha ou óleo em spray para bolos.

Num liquidificador ou robot de cozinha, coloque a cenoura descascada e partida em pedaços pequenos, ligue a máquina na potências máxima até ficar uma pasta do tipo areia molhada, de seguida adicione os ovos, o óleo e os açucares e bata durante 8 minutos na potência média.

Por fim junte a farinha, o fermento e envolva levemente com uma espátula de silicone, apenas para incorporar a farinha na massa.

Deite na forma e leve ao forno durante 40 minutos a 180º, ou até o palito sair limpinho.

Retire o forno e deixe o bolo na forma durante 5 minutos, depois coloque-o numa rede até arrefecer.

* Bom apetite *