Caril de batata




A semana passada fui a um restaurante Indiano e fiquei encantada com um caril de batata que lá estava, lembrei-me que tinha em casa uma mistura de caril de Goa, que comprei no Martim Moniz e que trouxe na minha mala nas primeiras férias que fiz em Portugal depois de estar aqui a viver. Foi assim que se fez luz para a receita desta semana.

O almoço foi buffet o que é óptimo porque acabei por provar um bocadinho de tudo, muitas vezes coisas que não pediria numa refeição normal à la carte. Claro que uma ida a um restaurante Indiano é sempre uma aventura, raramente saio de lá sem os lábios a arder. Na nossa mesa estava uma pessoa que não era grande fã de picante, o dono reparou e logo de seguida trouxe-lhe um molho de iogurte maravilhoso, que devia ser consumido entre os pratos. Eu acho que já tinha provado um molho parecido em alguns restaurantes em Portugal, mas um pouco como dip e não com esta intenção, de ser consumido para atenuar o picante. 

E vocês comiam caril duas vezes por semana? Basicamente foi o que eu fiz porque ideia foi recriar as duas receitas enquanto ainda estavam frescas na minha cabeça.

 
Ingredientes caril: (2 pessoas)
3 colheres de sopa de óleo de amendoim
80g de cebola 
2 dentes de alho
4g de gengibre fresco
2 colheres de sopa de mostarda em grão
4 colheres de sopa de caril (usei caril de Goa)
150ml de água
550g de batata sem casca
55g de pimento amarelo
85g de tomate
2 colheres de sopa de pasta de tomate
350ml de creme de coco
sal q.b.

Coloque uma panela ao lume com o óleo, deixe aquecer bem e junte a cebola cortada grosseiramente, o tomate em pedaços, os dentes de alho e o gengibre esmagados. Mexa durante uns segundos e junte rapidamente o caril e a mostarda, sem deixar queimar, vá mexendo durante 1 minuto e regue com a água. Deixe levantar fervura e passe tudo num robot de cozinha ou numa liquidificadora até ficar um creme.

Numa panela com o lume no mínimo coloque o creme de caril, junte as batatas cortadas em pedaços grandes, o pimento, a pasta de tomate, o creme de coco e tempere com sal. Deixe cozinhar lentamente durante uns 30/40 minutos com a tampa até levantar fervura e depois sem a tampa até as batatas ficarem cozidas.

Enquanto espera pode fazer o molho de iogurte.

Ingredientes molho de iogurte:
150g de iogurte natural
80g de pepino
1 colher de sopa de coentros frescos
3 folhas de hortelã
1/2 sumo de uma lima

Basicamente é partir o pepino em pedaços pequenos (podem faze-lo com a casta, eu não o fiz porque os pepinos aqui na China têm uma casca muito grossa e eu odeio a textura). Misturar tudo e regar com o sumo da lima. Levar ao frigorífico até consumir.

Sirva o caril com arroz basmati e o molho de iogurte bem fresco por cima.

Bom apetite!












Pasta com cajú e trufa (Vegan)




Aos poucos comecei a perceber que os chineses são doidos por trufa, muito devido ao excesso de pratos que existem nos restaurantes. O mais visto são as batatas fritas com sal de trufa (por aqui as batatas fritas são consumidas como snack e não como acompanhamento), eu confesso que adoro a combinação da batata salgada com o toque da trufa. 

Há pouco tempo consegui encontrar uma espécie de especiaria de trufa que tenho guardada religiosamente para a próxima vez que fizer batatas-fritas cá em casa.
No entanto há uns dias a minha vizinha, igualmente foodie, descobriu online alguém quem vendia trufas frescas a um preço amigo, lá tivemos nós que comprar, não é verdade! Foi a primeira vez que toquei numa trufa, se é verdadeira não sei, porque se há coisa em que os chineses são óptimos são nas cópias. Sabem a trufa mas não são tão intensas como a especiaria que tenho ou mesmo o azeite de trufa da Maille que adoro.

Trufas à parte, aqui vai uma receita com trufa, claro quem não tiver trufas (porque custam os olhos da cara em Portugal) podem perfeitamente trocar por cogumelos.




Ingredientes: (4 pessoas)
300g de massa (usei abissine rigate)
60g de cajú sem sal
9g de trufa
2 dentes de alho
1 colher de sopa de azeite
sal, pimenta
400 ml de água a ferver

Comece por cozer a massa até ficar al denti e reserve com 1 fio de azeite.

Numa liquidificadora coloque o caju, 5g de trufa, os dentes de alho e regue com a água a ferver. Pique até ficar um creme tipo natas, caso sinta que está um pouco espesso coloque um pouco mais de água.

Numa wok, coloque o restante azeite e em lume brando coloque o creme de cajú ate este ferver, envolva com a massa e sirva com a restante trufa em fatias ou ralada.

Bom proveito.

Sandes de salmão fumado


Vocês costumam fazer compras de alimentação no/a Ikea? Eu raramente fazia em Portugal mas na China é recorrente ir lá fazer compras. Para além do salmão congelado, compramos chocolates, um ou outro molho e na altura do Natal as bolachas. Da última vez que lá fomos comprei salmão fumado e lembrei-me logo que tenho comido sandes tão boas em restaurantes por aqui e em casa raramente me lembro de almoçar uma sandes, por isso, aqui vai uma receita de uma sandes bem simples e ao mesmo tempo cheia de sabor. Aproveitei um pesto de espinafres que estava no frigorífico para juntar ao salmão e ficou muito saboroso. 

Eu sei que parece estranho para muitos vocês mas comprar peixe e carne aqui não é tarefa fácil, tentamos ao máximo que seja importada e claro neste caso os preços chegam a ser assustadores. Por isso vamos sempre ao salmão do/a Ikea. É estranho pensar que quando regressarmos as nossas idas ao/a Ikea não vão ter nada a ver com estas. Sempre que lá vamos aproveitamos para almoçar, mesmo sendo um Ikea asiático, as refeições são muito parecidas com as que consumimos em Portugal e é muito engraçado ver a chinesada a usar faca e garfo.



Ingredientes pesto de espinafres: (200g)
60g de queijo parmesão
40g de amêndoa com pele
100g de espinafres
150ml de azeite
1 dente de alho
1 colher de sopa de coentros
sal, e coentros q.b.

Numa liquidificadora ou robot de cozinha comece por picar o queijo e a amêndoa durante 15 segundos numa velocidade alta.

Adicione os restantes ingredientes e pique mais 15 segundos na mesma velocidade.

Coloque num frasco e guarde no frigorifico. Pode usar em refogados para dar sabor, em pastas e saladas.

Ingredientes para sandes: (2 unidades)
200g de salmão fumado
4 colheres de sopa de pesto de espinafres
3 colheres de sopa de coentros frescos
4 fatias de pepino
1 abacate
1 mão cheia de rúcula
4 fatias de pão de mistura

Comece por marinar o salmão com o pesto durante 30 minutos.

Torre ligeiramente as fatias de pão numa torradeira. 

Comece a montar a sandes, primeiro o salmão, de seguida o abacate, o pepino, a rúcula e polvilhe com os coentros frescos e com um pouco mais de pesto se gostarem tanto quanto eu.

Bom apetite!






Dumplings fritos de ovo





Preparados para mais uma chinesice? Ora aqui vão mais uns dumplings, mas desta vez, fritos! Ora bem, não são bem fritos, porque frito para mim é quando o ingrediente frita em óleo abundante como se fossem batatas fritas ou rissóis. Neste caso os chineses chamam frito mesmo que se coloque uma colher de sopa de óleo no fundo de uma wok e se ponha lá qualquer coisa. Frituras à parte são maravilhosos, porque o crocante da massa fica tão saboroso aliado ao recheio e depois molhados num bom molho de soja! Ai, já os comia novamente.

Este recheio é muito básico, normalmente são os que dão às crianças, por isso arrisquem em fazer porque servem para toda a família.

Vejam outra receita de dumplings aqui.

Podem ver também uns vídeos a demonstrar as dobras que estão guardados nos destaques do meu Instagram "Dumplings". 


Ingredientes massa: (rende 20 dumplings)
250g de farinha de trigo
125ml de água tépida

Ingredientes: (recheio)
4 ovos
130g de leek chinesa (é uma espécie de cebolinha, podem usar ervas aromáticas)
3 colher de sopa de oleo de amendoim
2 fios de oleo de sesamo
1 rodela de gengibre fresco
sal q.b.

1. Numa tigela coloque a farinha e aos poucos junte a água, com a mão amasse ligeiramente até sentir que a farinha se despega da tigela e forme uma bola.

2. Tape a bola com película aderente e deixe repousar enquanto for preparar do recheio.

3. Comece por bater os ovos com uma vara de arames (ou os pauzinhos chineses) com 1 fio de óleo de sésamo. Numa wok bem quente coloque 1 colher de óleo de amendoim e frite os ovos como se estivesse a fazer ovos mexidos.

4. Numa tábua pique o gengibre em pedaços muito pequenos, junte o ovo mexido, a leek e pique tudo muito bem. Transfira tudo para 1 tigela e junte 2 colheres de sopa de óleo de amendoim, um fio de óleo de sésamo e tempere com sal, mexa e recheie os dumplings.

5. Enfarinhe a bancada e amasse durante uns 5 minutos como se fosse um pão.

6. Divida a massa a meio (nota: a parte da massa que não está a utilizar guarde-a sempre dentro da tigela com a película aderente para não secar), de cada parte faça um rolo e corte-o em pequenas bolas (do tamanho do dedo polegar).

7. Cada bolinha terá que ser inicialmente esmagada com a palma da mão (como se fosse fazer uma bolacha) e depois esticada com o rolo da massa em forma de circulo até ficar bem fino.

8. Recheie os dumplings e para os fechar pode usar uma destas 3 técnicas:
8.1: Coloque a massa em forma de circulo na palma da mão esquerda e com uma colher de sopa na mão direita adicione o recheio bem no centro. Dobre a massa ao meio na horizontal e com a ajuda do polegar e o indicador da mão direita feche com a ponta dos dedos a massa enquanto o indicador da mão esquerda empurra o recheio para dentro (fica mais ou menos com a forma de um rissol) de seguida junte as extremidades e encaracole ligeiramente.

8.2: Coloque a massa em forma de circulo na palma da mão esquerda e com uma colher de sopa na mão direita coloque o recheio bem no centro. Dobre a massa ao meio na horizontal e ao mesmo tempo com as duas mão vá dobrando de fora para dentro, para que fiquem umas pregas, pressionando bem os dedos.

8.3: Coloque a massa em forma de circulo na palma da mão esquerda e com uma colher de sopa na mão direita coloque o recheio bem no centro. Dobre a massa ao meio na horizontal e comece por fechar normalmente e quando estiver a chegar ao centro faça 4/5 dobras por cima da unha da mão esquerda e no fim, volte a fechar normalmente.

Nota: Vou colocar uns videos no Instagram para ser mais fácil perceberem a dobra, nos dumpings desta publicação fiz a dobra 8.3.

9. Para os cozinhar precisa do seguinte: Uma wok com tampa, uma concha da sopa e uma tigela com água à temperatura ambiente.

10. Numa wok ponha água a ferver, coloque os dumplings dentro da água com muito cuidado para não rebentarem, tape-os com a tampa e com a concha mexa-os 5 vezes durante 2 minutos, sempre que os mexer adicione a concha cheia de água à temperatura ambiente e feche com a tampa novamente.

11. Retire-os com cuidado e deixe-os escorrer durante uns minutos.

12. Para os fritar, basta descartar a água da wok e colocar novamente ao lume 2 colheres de sopa óleo de amendoim bem quente e com cuidado leve um a um (usando os pauzinhos chineses) a fritar de todos os lados.

Sirva com soja, alho picado, gengibre e uns coentros.



Batido de pitaia rosa






Lembro-me de chegar à China e ficar louca quando vi pitaia pela primeira vez, em Portugal já tinha visto mas como era sempre tão cara nunca tinha tido coragem para comprar. Aqui é barata e muito usual ver todo o ano. Existe em 3 cores mas até agora só provei duas, a normal branca e a rosa. Os sabores são ligeiramente distintos, a rosa tem um sabor um pouco mais intenso e esta cor fantástica. É um pouco como a beterraba, ficamos com os dedos cor-de-rosa se não usarmos luvas para a descascar. Mas a cor é linda e é muito normal encontrarem por aqui em receitas de sumos e gelados.

Deixo como sugestão para uma bebida para o Halloween, caso não encontrem a de cor rosa em Portugal, podem substituir por beterraba que fica igualmente bonito e muito saboroso.




Ingredientes: (500ml)
1 banana
1 pitaia rosa (190g). (se não encontrarem rosa substituam por beterraba)
1 tâmara medjool
300ml de leite de amêndoa (sem açúcar)* receita aqui

Numa liquidificadora coloque a banana, a pitaia e a tâmara e bata tudo 2 minutos na potência máxima, junte o leite de amêndoa (previamente fresco) e sirva de seguida.

*Ingredientes leite de amêndoas (1 litro)
250g de amêndoa com pele
1 litro de água fresca
2 tâmaras
1 pitada de sal

Numa taça com tampa, demolhe a amêndoa com 500 ml de água pelo menos durante 8 horas (eu deixo sempre de um dia para o outro) no frigorifico.

Numa liquidificadora coloque 1 litro de água bem fresca, descarte a água das amêndoas e junte-as à liquidificadora com a pele, junte as tâmaras sem o caroço e 1 pitada de sal. Triture tudo muito bem na potência máxima durante 2 minutos.

Com ajuda de um pano de algodão fino e limpo, coe o liquido da bebida vegetal espremendo muito bem o pano.