Bolachas de café




Hoje trago umas bolachas que são uma perdição, principalmente se acompanhar com um cappuccino. 

Eu sei que pelo Instagram tenho andado a beber muittttttos sumos verdes, mas a minha ideia de ter feito aquele desafio nem é para um detox ou para perder peso. Estou antes a perceber que conjugação podemos fazer, porque sentia que era bastante básica nas misturas e acabava muitas vezes por beber sumos muito pouco consistentes e sem grande sabor.

No entanto a vida não é só sumos verdes, por isso, aqui vai uma receita perfeita para uma tarde de domingo.



Ingredientes: (rende 16 bolachas)
50 g de manteiga à temperatura ambiente
220 g de pepitas de chocolate preto e + umas para polvilhar
100 ml de café (usei DeltaQ cinnamon)
3 ovos
200 g de açúcar
80 g de amido de milho
1 colher de chá de fermento.

Coloque uma panela pequena com água em lume baixo e por cima uma taça adicione o chocolate e a manteiga (o chamado banho-maria) e deixe o chocolate derreter juntamente com a manteiga lentamente, por fim junte o café e envolta tudo muito bem com uma espátula de silicone ou colher-de-pau.

Retire do lume, à taça junte os ovos, o açúcar, o amido de milho, o fermento misturando tudo muito bem ate ficar uniforme. Leve ao frigorífico durante pelo menos 1 hora.

Pré-aqueça o forno a 180º.

Forre dois tabuleiros com papel vegetal e com ajuda de 2 colheres, forme as bolachas da dimensão desejada, tendo em atenção que deve ter pelo menos 2 dedos entre cada uma. Polvilhe com as restantes pepitas e leve ao forno durante 20 minutos.

Depois de retirar o tabuleiro do forno, aguarde 5 minutos e transfira as bolachas para uma rede com cuidado até arrefecerem por completo.

Bom proveito!

Creme de batata-doce e gengibre

Há dias ao ver as noticias na televisão Portuguesa, reparei nas roupas das pessoas. É engraçado como é que podem ser tão diferentes das que vejo aqui diariamente. Não estou a falar de moda, nem nada disso. Falo de casacos mais quentes, gorros, coisas que aqui raramente se vê. Estamos neste momento no Inverno, na verdade existem dias frios. Mas é um frio tão diferente do que se sente em Portugal, não que eu tenha saudades de frio de Lisboa, até porque sou mais pessoa de Verão! Mas tenho saudades dessas coisas simples que ninguém repara até as deixar de ver por algum tempo. Dou por mim a ter saudades de passeios da rua, caixotes do lixo limpinhos, centros comerciais ordenados, bancos do jardim, enfim, ficaria aqui eternamente a numerar coisas ridículas para todos vocês.

Mas adiante as saudades e vamos antes para uma sopa cheia de sabor, cá em casa os cremes são os preferidos dos mais novos, os mais velhos como exemplo, têm de comer na mesma. Aqui vai um muito aromático, para quem não for fã de gengibre, pode trocar por coentros que fica muito bom na mesma.


Ingredientes: (6 pessoas)
85g de cebola
2 alhos
450g de curgete
360g de batata-doce laranja
35ml de azeite
sal
400ml de água
2 rodelas de gengibre

Numa panela coloque a cebola cortada em pedaços grandes, os alhos inteiros, a curgete sem casca e cortada às rodelas, a batata-doce descascada e cortada em cubos, o azeite, o sal e deixe cozinhar tudo e lume brando durante 15 minutos.

De seguida junte a água e cozinhe durante mais 15 minutos.

Junte o gengibre sem casca e triture tudo durante 2 minutos até ficar um creme homogéneo.

Ingredientes para os croutons:
75 g de pão de mistura cortado em cubos
1 dente de alho esmagado
1 fatia de gengibre esmagada
2 colheres de sopa de coentros frescos
2 colheres de sopa de azeite

Numa frigideira, leve os ingredientes todos ao lume até fritarem, sirva por cima da sopa ou caso queira dar um crocante extra, triture até ficar uma farinha. 

Bom apetite!

Manteiga de trufa

Que tal acham de começar o ano a comer uma manteiga caseira de trufa, chique não? A bem dizer podem fazer mil e uma combinações com manteiga, e claro, fazer manteiga é sem dúvida algo pouco usual, principalmente em Portugal que há manteiga tão boa à venda.  Mas se têm curiosidade façam, porque é realmente mais fácil do que imaginam.

Já tinha falado por aqui a minha aventura com a trufa Chinesa, tanto eu como a minha vizinha temos a sensação que estas trufas tinha pouco sabor, talvez pelo preço ou porque eles aqui falsificam tudo. Mas deu para, pelo menos, uma vez na vida ter a oportunidade de cozinhar uma iguaria tão desejada apreciada pela comunidade foodie e pelo que tenho visto pela população chinesa em geral. Porque encontrar, por exemplo, hambúrgueres com cogumelos e trufa, batatas-fritas com sal de trufa a um preço acessível é algo muito comum aqui na China.

Ora vamos lá entrar o ano com uma receita de requinta a ver se dá sorte!


.  Receita para 125g de manteiga . 

Ingredientes:
400 ml de natas (bem frescas)
35g de sal grosso
13g de trufa
água fria q.b.

Numa batedeira com a vara de arames, coloque as natas e deixe bater na velocidade média até passar do ponto "em castelo". Continue a bater até obter uma textura espessa e separada de um líquido (soro).

Retire a manteiga e passe-a num coador fino ou um saco de tecido próprio para coar, extraia o soro e volte a colocar a manteiga na batedeira. Desta vez com com a vara de bater bolos ainda na velocidade média adicione o sal bata apenas para se incorporar na manteiga e coloque água fria a fio, suficiente para "lavar" a manteiga e volte a fazer o mesmo processo - retire da batedeira, passe pelo saco, retire o soro, coloque na batedeira e adicione a água bem fria em fio, até o soro sair limpo. Faça este processo quantas vezes for necessário (só fiz duas vezes) porque é muito importante e é o que faz com que a manteiga dure mais tempo.

Junte a trufa cortada a gosto, misture mesmo com as mãos até que fique bem incorporada e embrulhe a manteiga num papel vegetal ou coloque num tupper-ware com base de vidro no frigorifico ou se preferir congele.

Bom apetite!



Boule de fromages






2021 um ano que todos pensavam vir a ser melhor que 2020 mas creio que não foi bem assim. Não posso dizer que foi um ano mau para mim, o único aspecto negativo que tive foi mesmo não ter conseguido ir a Portugal nas férias do verão. De resto só tenho a dizer coisas boas deste ano, deu-me mais tempo para mim, para aproveitar esta aventura Chinesa, para regressar ao meu blogue que tanto adoro e estava meio adormecido. 

Para a última receita do ano trago uma descoberta, foi-me oferecido por um casal amigo uma receita muito parecida a esta, diziam que era sobremesa Francesa. Comemos como sobremesa mas rapidamente percebemos que servia antes para uma entrada. Fui pesquisar e fiquei maravilhada com as diferentes combinações que se podem fazer. 

Deixo-vos a minha versão com ingredientes que adoro, uma óptima receita para acompanhar um pão, umas crackers e uns legumes em palitos enquanto esperam a meia-noite de dia 31.

Desejo que 2022 seja para todos vocês tão bom quanto para mim.


Ingredientes: (6 pessoas)
220g de queijo creme natural
60g de queijo feta
50g de queijo parmesão ou pecorino
4 colheres de sopa de natas
100g de frutos secos sem sal (usei uma mistura)
2 colheres de sopa de azeitonas verdes
2 ramos de coentros frescos
3 tâmaras medjool

Numa batedeira com a vara de arames coloque os queijos e as natas e bata durante 1 minuto ou até atingir um creme homogéneo e desligue.

Numa tigela ou na taça da batedeira comece a juntar os restantes ingredientes, estes devem ser picados a gosto com faca ou uma 123 (guarde 3 colheres de sopa da mistura picada para usar mais tarde) e misture muito bem com uma colher ou mesmo as mãos. 

Forme uma bola e enrole-a numa película aderente, para que a forma se mantenha, coloque-a numa tigela com a mesma forma e leve-a ao frigorífico durante pelo menos 4 horas, o ideal é deixar de uma noite para a outra.

Antes de servir, retire a película, volte a formar a bola caso ela tenha perdido um pouco a forma e passe pelos ingredientes picados reservados.

Sirva numa tábua de queijos, com legumes em palitos ou crackers. 





Arroz doce de café



Comecei a gostar de arroz doce na primeira vez que comi um fora de casa. Eu sei que parece estranho dizer isso, a minha mãe adora arroz doce mas daquele que se corta com a faca, nada contra, eu é que só o conseguia comer quando era acabado de fazer, depois disso era impossível para mim e assim continua.

Infelizmente cá em casa só eu e a minha filha é que gostamos de arroz doce, a minha vizinha já sabe e cada vez que faz traz-me uma tacinha para matar saudades. No entanto lembrei-me que se o aromatizasse com um bom café, talvez conseguisse fazer com o meu marido comesse esta sobremesa tão Portuguesa e maravilhosa.

Aqui está uma receita de um arroz doce muito cremoso (desculpa mãe), com aroma a café da minha nova maquina DeltaQ que me foi gentilmente fornecida pelo representante da Delta na China.

Com votos para todos de um Feliz Natal!



Ingredientes: (8 pessoas)
780 ml de leite
320 ml de café (DeltaQ Qonvictus intensidade 5)
5 grãos de café Delta Gold
150g de arroz (usem carolino eu usei chinês :D)
1 pitada de sal
1 pau de canela
4 gemas de ovo
120 g de açúcar
canela em pó para polvilhar

Numa panela com o lume baixo coloque o leite, o café, os grãos de café, o arroz, o pau de canela, o sal e cozinhe durante aproximadamente 30 minutos, mexendo de 5 e 5 minutos com a colher de pau.

Depois disso numa taça pequena coloque as gemas juntamente com um pouco do leite/café que está na panela e com uma vara de arames misture tudo muito bem e junte à panela. Adicione também o açúcar e deixe cozinhar mais uns 15 minutos, mexendo sempre de 5 em 5 minutos.

Descarte o pau de canela e os grãos de café e coloque o arroz numa travessa ou em pequenas taças.

Deixe arrefecer e polvilhe com canela a gosto.

Bom proveito!