Sopa de tomate Mexicana





Bienvenidos a México! 

Quem me segue no Instagram sabe que na minha cidade tenho a sorte de ter imensos restaurantes mexicanos. O que é maravilhoso, porque cheguei à conclusão que a nossa gastronomia é muito parecida, principalmente na maneira como temperados os ingredientes. Parece estranho pensar que comendo um burrito ou umas tortilhas nos faz lembrar Portugal. Acreditem que faz, pelo menos para mim, que já não vou a casa há quase de 1 ano e as saudades já apertam.

Para além da restauração tenho tido o prazer de conviver com algumas pessoas mexicanas, nunca pensei que aquela conversa dos latinos serem parecidos fosse mesmo verdade. Porque ok, Portugal e Espanha são lado a lado e até se percebe a semelhança... Agora Mexico já é noutro continente e por sinal bastante longe do nosso, mas de facto é verdade a tendência é mesmo os latinos terem uma maneira de estar e pensar na vida muito parecida e eu tenho adorado esta convivência. Depois a comida une os povos e tanto eu como os próprios mexicanos com quem já convivi, disseram que a gastronomia é bastante parecida e relação/maneira de estar à mesa igualmente.

A comida mexicana para mim é uma novidade, acho que o primeiro burrito que provei na vida foi aqui na China. Sabia da existência de alguns restaurantes mexicanos em Lisboa mas nunca tinha ido a nenhum.  
No inverno do ano passado fomos almoçar a um mexicano e eu pedi duas sopas, uma que era uma espécie de sopa da pedra (com carne e tudo) e a segunda esta que trago hoje, uma sopa de tomate muito simples mas com uma pitada de picante. Lembro-me de ter provado e pensar numa sopa de tomate alentejana, só lhe faltava mesmo o ovo em cima. Na altura ainda não estava a 100% no blogue, mas fiquei com esta receita na cabeça para fazer mais tarde. 

Esta é a minha versão de sopa de tomate com toque mexicano, olé!




*Receita para 6 pessoas

Ingredientes:
6 tomates maduros
80g de cebola
2 dentes de alho
30g de pimento vermelho
440ml de água
30ml de azeite
sal e pimenta q.b.
1/2 colher de piri-piri em pó
6 tortilhas de milho 
sour cream (nata ácida) q.b.

Numa panela de água a ferver, escalde os tomates para ser mais fácil retirar a pele.

Coloque numa panela o tomate cortado em pedaços, a cebola laminada, os alhos, o pimento e o azeite. Leve ao lume durante 10 minutos sem deixar de mexer, por fim coloque a água, tempere com o sal, pimenta e o piri-piri e deixe cozinhar durante 15 minutos. 

Triture tudo muito bem com uma varinha mágica ou numa liquidificadora, verifique os temperos e sirva com tortilha cortada em juliana, uns pedaços de pimento, 1 fio de azeite e duas colheres de sobremesa de sour cream.

*Bom apetite.




Esparguete com limão


Eu acho que já disse isto aqui várias vezes, mas quando fui a Itália pela primeira vez fiquei encantada com a simplicidade dos pratos. Lembro-me tão bem de estar almoçar com o meu marido em Roma e ao nosso lado chegar uma família e pedir um prato de esparguete com limão. Eu pensei na altura mas que coisa sem graça, depois chega um prato simples, sem cor nenhuma (um pouco como o da minha imagem) e eu olho para a nossa escolha, a minha uma pasta cheia de legumes, a dele com camarão e repleta de molho. Ao vê-los comer com uma grande satisfação pensei que algo não estava bem e logo naquele momento tive a sensação de que quem tinha feito a escolha certa tinha sido a família. Agora passados uns 6/7 anos digo com uma grande certeza que sim! 

Mal vi a publicação da receita do famoso esparguete com limão no Instagram da The pasta Queen , pensei é agora que vou provar. Como era de esperar fiquei encantada, como é que uma receita tão simples pode trazer tanto sabor em cada garfada, de facto os Italianos são os melhores a criar sabores intensos com tão pouco. Espero com esta pequena história ter conseguido convencer algum de vocês a testar esta receita. Não se deixem levar pela simplicidade do prato porque por vezes engana e de mim falo.


*Receita para 2 pessoas

Ingredientes:
250g de esparguete
1 dente de alho
2/3 colheres de sopa de azeite 
60g de manteiga com sal
1 limão (raspa e sumo)
250 ml de creme de leite de coco (a receita original é com natas)
1 pitada de sal
1 colher de sopa de hortelã fresca

Comece por cozer o esparguete em água, quando estiver al dente retire da água (guarde um pouco da água da cozedura para mais tarde) e reserve.

Numa frigideira grande e anti-aderente (eu usei uma wok), adicione o azeite e o dente de alho partido em pedaços muito pequenos, deixe cozinhar por 1 minuto e junte a manteiga. Deixe esta derreter e junte as raspas e o sumo do limão. De seguida junte o leite de coco, envolta, tempere com o sal e por fim junte o esparguete, envolta tudo delicadamente e regue com uma concha de sopa da água de cozedura. Deixe o molho reduzir um pouco e sirva com mais umas raspas de limão e a hortelã picada.

Receita retirada daqui.

Just gorgeous...


Noodles com tomate e ovos (à maneira Chinesa)

Se não estou em erro este foi um dos primeiros pratos que provei na China, na altura fui a um restaurante com menu escrito apenas em chinês e com umas pequenas fotos a ilustrar, foi o que me safou para ser sincera. Vi o que me pareceu ser uns noodles bastante normais, com ovo mexido e tomate e mandei vir sem medos, estava delicioso. Sinto que ovo e tomate é uma combinação sempre perfeita e até com um sabor bastante português. 

No entanto é um prato muito usado aqui na minha região, normalmente até servem os ovos com tomate sozinhos e a acompanhar um arroz branco em vez dos noodles. É bom para dar às crianças porque este tipo de prato raramente é dos picantes. O grau de picante dos chineses é ligeiraaaaaammmmente diferente do nosso, por isso, convém perguntar sempre se tem picante antes de pedir o que quer que seja. Se te disserem sim, o ideal é não pedir porque será fogo na tua boca. Se te disserem um bocadinho a coisa até pode correr bem. Mas já me aconteceu por duas vezes pedir uma sopa diferente num restaurante e não a conseguir acabar de tão picante que era.

Se quiserem reproduzir este prato com aroma chinês tentem ser o mais fiel à receita e por favor não troquem o óleo por azeite, porque na comida asiática faz toda a diferença no sabor final. A maneira como cortam o tomate, deixo ao vosso critério. Eu deixei os meus bem grandes, porque é como se come por aqui, inicialmente estranhei, porque parece que estamos a comer um tomate que não está bem cozinhado mas também não está cru, agora já não o consigo fazer de maneira diferente, porque me sabe muito bem.

Segue mais uma receita made in China para vocês.


*Receitas para 4 pessoas

Ingredientes:
5 tomates
6 ovos
1 colher de sobremesa de óleo de sésamo
2 dentes de alho
4 colheres de sopa de óleo de amendoim
1 pitada de açúcar
1 pitada de sal
1 pitada de caldo de galinha em pó
2 cebolinhas (spring onion)
150g de noodles soba de ovo

Corte os tomates como se fosse para uma salada e reserve.

Numa tigela bata os ovos com uns pauzinhos chineses juntamente com um fio de óleo de sésamo e reserve.

Numa tigela maior coloque os noodles, com 1 fio de óleo de amendoim e regue com água a ferver. Envolva bem e deixe repousar uns minutos até os noodles ficarem al dente. De seguida escorra água da tigela volte a colocar mais 1 fio de óleo de amendoim e com uns paus chineses movimente várias vezes os noodles, para que estes fiquem bem soltos e reserve.

Numa wok bem quente, coloque 2 colheres de sopa de óleo de amendoim e deixe aquecer bem. Adicione os ovos e frite (a técnica para mexer os ovos não é como a que fazemos para os ovos mexidos, estes ovos devem ser movimentados lentamente, mais ou menos como se estivessem a mexer um risotto e devem ser desfeitos em pedaços grandes). Deixe fritar os ovos até ficarem fofos, retire da wok e reserve.

Na mesma wok sem passar por água, volte-a colocar ao lume e quando estiver bem quente, adicione as outras 2 colheres de sopa de óleo de amendoim. De seguida o alho picado, o tomate e o açúcar, deixe cozinhar até o tomate ficar ligeiramente mole, mas não desfeito. Adicione os ovos, tempere com o sal e um pouco de caldo de galinha. Por fim adicione os noodles, envolva lentamente e depois de desligar as 2 cebolinhas cortadas.

Sirva de imediato e bom apetite*





Sumo de abacaxi e mirtilo




Sou fã de sumos naturais a qualquer hora do dia, prefiro muito mais um sumo natural do que leite com café de manhã por exemplo. Aqui na China bebe-se muito chá durante as refeições, tanto quente como frio. Também gostam bastante de bebidas com soda, misturam chá e umas limas bem pequenas que aqui se usam. Eu acho um pouco artificial porque muitas destas bebidas parecem ser feitas à base de syrup e sem qualquer fruta verdadeira, depois se escolhem fazer com um tipo de chá muito floral já não fica uma mistura nada saborosa, pelo menos para mim. No entanto o consumo de fruta é enorme, existem até enumeras barraquinhas no centro da cidade que vendem fruta "ao quilo", eu já publiquei várias vezes nos stories do Instagram, é sempre algo muito engraçado de fotografar/filmar porque eles usam todo um vapor de água à volta que me faz lembrar cenas de filmes de Hollywood. 

Hoje trago uma receita de uma das duas frutas que adoro juntas, abacaxi e mirtilo, que nesta altura do ano são muito doces e baratas, no entanto gosto sempre de as ter congeladas para usar em sumos, como este e smoothies, também já fiz 2 vezes uns daqueles "Bali bowls da moda", mas confesso de que gosto mais de comer fruta congelada em sumos do que à colher.

Aqui vai a receita para quem gostar de um sumo bem fresquinho e com toque de hortelã.


*Receita para 1500ml de sumo

Ingredientes:
150g de abacaxi (usei congelado)
100g de mirtilos
750ml de água fresca
100g de açúcar
5g de hortelã
150g de gelo

Colocar num robot de cozinha ou liquidificadora o abacaxi, com 50g de açúcar, a hortelã e os 650ml de água bem fria, triturar na potência máxima pelo menos durante 2 minutos e reservar na jarra que vai servir.

Novamente na liquidificadora, não necessita lavar, coloque os mirtilos, com o restante açúcar e o gelo, pique tudo muito bem e verta por cima do sumo de abacaxi, ou um pouco em cada copo antes de servir.

*Bom apetite.


Salada Asiática

O tempo aqui está quente já alguns meses, temos Inverno apenas 2 meses por ano. Mas o verão é assustador, algo que nunca tinha vivido em lado nenhum. Quem me segue já algum tempo sabe o quanto adoro Sevilha, ia lá sempre em Agosto, pensava eu que era uma cidade quente. Aqui para além do calor é a humidade que nos deixa exaustos. No momento em que escrevo esta publicação, estão 32º com 69% de humidade o que dá uma sensação térmica de 40º e eu sei que ainda vai ficar pior.

Uma das coisas que tive mais saudades no primeiro ano a viver aqui foi do nosso vento Português, aquele ventinho no final de um dia de verão, estão a ver? Há umas semanas quando fomos a Beijing estava um tempo assim, a nossa alegria foi tanta que viemos à rua só para o sentir, como fazem as crianças quando chove. Naqueles instantes reparei que a minha filha estava muito assustada com o vento e fez-me pensar que o normal para ela é o tempo de Guangzhou, está a 3 meses de fazer 3 anos e chegou aqui com 2 meses e pouco, conhece mais a realidade chinesa do que a portuguesa.

Estou a fazer esta publicação e a pensar que este ano será o primeiro da minha vida que não vou comer tomate coração de boi. Mesmo depois de estar aqui a viver, tive sempre oportunidade de ir aí no verão e atacar essa qualidade maravilhosa de tomate. Se sinto tristeza? Muita, tanta que esta semana no mercado comprei 1 kg extra de tomate maduro para fazer doce de tomate e afogar as mágoas, ou antes, o pão caseiro que ando a fazer ultimamente e que viciei. O que é que esta conversa tem a ver com a receita desta semana? Nada, mas apeteceu-me dizer que tenho saudades do tomate coração de boi.  

Também já conhecem o meu encanto pela comida asiática, este tipo de saladas num restaurante chinês não existem, mas basta irmos a um restaurante tailandês ou vietnamita que já se conseguem encontrar e são maravilhosas, adoro o tempero, o crocante dos frutos secos e a frescura. É mesmo o tipo de salada que nos refresca no verão. Deixo-vos aqui uma receita inspirada em tantas que comi por aqui. Basicamente é misturar tudo e tratar de fazer um molho bem guloso, o meu leva como base manteiga de amendoim e leite de coco, que é só a melhor combinação de todas. 

Bom apetite!


*Receita para 2 pessoas

Ingredientes:
50g de amendoim sem sal
100g de edamame
80g de cenoura 
100g de couve-roxa
100g de couve coração
1 mão cheia de hortelã fresca
2 colheres de sopa de coentros frescos
1 mão cheia de rebentos de ervilha ou soja 
2 cebolinhas

Molho:
2 colheres de sopa de manteiga de amendoim
1 dente de alho
1/2 colher de sopa de açúcar mascavado
1 colher de sopa de molho de peixe
2 colheres de sopa de óleo de amendoim
50 ml de leite de coco
1 lima (sumo)

Comece por tostar os amendoins numa frigideira anti-aderente, caso sejam como os meus e tenham pele, depois de os tostar ainda quentes, coloque-os num pano de cozinha e esfregue, as cascas vão saltar muito facilmente. Pique os amendoins grosseiramente com uma faca e reserve.

Numa panela com água a ferver leve ao lume o edamame e deixe cozinhar uns 5 minutos. Estes deverão estar al dente, depois de os retirar do lume deixe-os a repousar numa tigela com água e gelo.

Os vegetais devem ser picados da seguinte maneira, couves bem finas como se fosse fazer um caldo-verde. A cenoura cortada em juliana, a hortelã inteira, os coentros picados grosseiramente, as cebolinhas em pedaços pequenos e os rebentos inteiros.

Num robot de cozinha ou 123, coloque todos os ingredientes do molho e pique tudo muito bem, até ficar um molho bem cremoso. 

Junte o edamame e parte dos amendoins aos vegetais e regue com o molho de amendoim e envolva muito bem, sirva com o restante amendoim por cima.

*Bom apetite