Limonada de frutos tropicais



Que eu adoro limonadas já não é novidade nenhuma, que eu tenho a sorte de ter uns vizinhos que volta e meia me batem à porta com legumes e fruta biológica é que já não sabiam. Vejam bem a sorte que tenho, conseguir com que num prédio de 4 andares, ter como vizinhos mesmo ao meu lado, uma família espectacular (olhem que vizinhos espectaculares é bem raro). Há uns tempos chegou até nós um grande carregamento de limões. Escusado será dizer que nos últimos tempos fomos consumido muitas limonadas, acho que já fiz limonadas de quase todos os frutos, este fim de semana, fiz pela primeira vez de melancia e adorei o resultado.

Hoje trago uma de frutos tropicais, papaia e manga encontro sempre com muita facilidade nos mercadinhos perto do meu trabalho, kumquat já não é tão fácil.

Conheci este pequeno fruto através do Jamie Oliver e de uns quantos blogs internacionais, na altura fiquei encantada e logo com muita vontade de experimentar. No início do ano, no sul de França comprei, provei um e a desilusão foi enorme. Semanas depois numa visita à Clavel's Kitchen deparei-me com uma pequena arvore carregada destes pequenos kumquats e foi então que ela me explicou como os deveria ter comido. Vejam neste post do que falo. Passado este tempo voltei a comprar e escusado será dizer que adorei. Juntei uns quantos a esta limonada e aqui vai a receita com votos de muitos raios de sol.


Ingredientes: 1 litro
150g de papaia
100g de manga
3 kumquat (casca incluída)
1 limão (casca incluída)
4 colheres de sopa de açúcar mascavado (eu usei geleia de arroz)

Colocar na bimby/liquidificadora o limão cortado em 4 partes (com casca), a papaia  e a manga sem casca e cortada grosseiramente, e a água. Pressionar no botão turbo ou na velocidade máxima, durante 1 minuto.
Coar tudo com um passador bem fino e colocar numa jarra. Adicionar o açúcar ou adoçante (como preferir), por fim, o gelo a gosto.

Levar ao frigorífico até servir e adicionar mais uns cubos de gelo em cada copo se necessário.

Gelados de piña colada e maracujá

Não sou uma pessoa de praia. Gosto do verão, do sol e de dias quentes, mas dispenso bem passar o dia todo na praia, no máximo três horas já é suficiente para mim. No entanto, passei toda a minha infância nas praias serra da Arrábida, e íamos aos dias inteiros, quase sempre até ao por do sol, para a criançada ficar a jogar à bola depois do calor (talvez por isso agora não adore). Confesso que prefiro mais ir à praia de Inverno, do que num dia de agosto em que não há espaço para colocar os pés na areia.No entanto se há um cheiro que em segundos me remete a um desses dias de praia, é o da piña colada. Nos anos 90 apareceram aqueles iogurtes de beber (não me lembro da marca) com sabor a piña colada que eram sempre motivo de guerra entre mim e os meus sobrinhos, lembro-me que a minha irmã levava sempre de piña colada e de morango. Todos queriam os de piña colada e alguém acabava sempre a fazer beicinho. Isto tudo para vos dizer que enquanto fazia estes gelados vieram-me esses tempos à memória e já não me lembrava o bom que era sentir o aroma da piña colada tão perto.Se gostarem de piña colada, façam estes gelados, são mesmo fantásticos e são do novo livro da Sarah Britton, autora do blog My new roots, que dispensa apresentações. Não sou propriamente uma seguidora do estilo de vida que ela leva, gosto da minha carne, do meu marisco e até do meu açúcar de vez enquanto. Mas admiro o trabalho dela e gosto muito da originalidade e simplicidade das suas receitas. Esta receita na minha opinião faltou-lhe um pouco mais de doce, mas acho que não tive grande sorte com o abacaxi que comprei, por isso, o conselho que dou é antes de colocarem os gelados nas formas, provem e vejam se está ao vosso gosto porque depois de congelado não há volta a dar.Enquanto estou a escrever este post, estou a trincar a granola de banana (também deste livro) ainda morna, que acabei que tirar no forno para amanhã levar para o trabalho, outra receita que aconselho do livro.Que tenham uma boa semana!

Ingredientes: 8 gelados
8 maracujás (maduros)
375g de ananás em pedaços fresco (usei abacaxi)
400 ml de leite de coco
2 colheres de sopa de mel, ou maple syrup  (usei mel de rosmaninho)

Comece por partir os maracujás ao meio e retirar toda a polpa para uma tigela, deve dar uma média de 250ml de polpa de fruta.

Numa liquidificadora ou na Bimby, coloque o abacaxi, o leite de coco, o mel ou outro adoçante a gosto, e passe tudo muito bem na velocidade máxima até ficar cremoso.

Prove e veja se está ao seu gosto.

Coloque nos moldes, uma pequena porção da piña colada e altere com uma colher de sobremesa de maracujá, para que fica um efeito mármore ou apenas rústico. Não encha demasiado os moldes para não entornar no congelador.

Leve ao congelador durante pelo menos 4 horas.

Para retirar dos moldes, basta colocar as bases num pouco de água morna, que num instante desenformam.

Et voilá!

Madalenas de laranja e mel de cana


E se eu agora vos trouxesse uma receita mesmo boa para aquelas tardes de Inverno? Ora bem, tenho esta receita guardada alguns meses, mas o tempo ficou tão primaveril de repente que deixou de fazer grande sentido postar e foi ficando e ficando... Até que hoje, acordamos com um tempo digno de um chá e umas madalenas.

Confesso que este tempo me deprime um pouco, gosto de aproveitar bem os dias e em especial os fins-de-semana, adoro fazer o máximo coisas fora de casa. Passear, visitar a família ou simplesmente distrair, mas com este vento e esta chuva só dá vontade de ficar em casa. Estas madalenas saíram de um domingo frio, umas horas antes de ver um filme já quase a bater as 18 horas - hora em que cá em casa, bate aquela depressão todas as semanas.

Já algum tempo que queria experimentar estas formas novas que comprei no DeBorla, e apesar de ter muitas receitas de madalenas espalhadas pelos meus livros, quase todas tinham de repousar a massa uma ou mais horas, e eu não tinha nem mais um minuto para desperdiçar do fim de tarde. Decidi fazer esta receita da simpática Maria José do blog 7 gramas de ternura, apenas substitui o açúcar pelo mel, espero que fiquem inspirados para o próximo domingo.

Se gostaram da caneca, passem por aqui e espreitem a colecção bem gira que vende a Girlythings, sempre cheia de humor e um design bem bonito, é uma artista!!!



Ingredientes: (35 unidades)
4 ovos
150g de mel de cana
125g de manteiga
150g de farinha
1 c. chá de fermento
raspa de 1 laranja
1 c. café de sal fino

Pré-aqueça o forno a 180º.

Bata os ovos com o mel e o sal durante 5 minutos. De seguida adicione a manteiga e continue a bater. Aos poucos, vá juntando a farinha peneirada com o fermento e por fim a raspa de laranja. Unte a forma de madalenas com manteiga ou com spray (eu usei formas de silicone por isso não foi necessário untar) e coloque dentro a massa. 

Leve a forno quente a 180º durante 10 minutos, ou até ficarem douradas e cozidas.


Desenforme-as e acompanhe com um chá quente.

Coroas de queijo creme e tomate seco





Há semanas que custam a passar e esta está a ser uma semana assim. Acordo todos os dias a pensar que já é sexta-feira e até forças perdi para vir até aqui. Mas como tudo na vida se resolve e com um bocadinho de força de vontade quase tudo se consegue, aqui estou eu, agora sim com a semana quase no fim para vos deixar mais uma receita. 
Trago umas coroas que vi no novo livro da Rachel Khoo, um livro muito bom que me surpreendeu pela positiva, apesar de ser fan desta autora e ter adorado os seus dois primeiros livros com influências Francesas, este também está muito bem conseguido. É uma espécie de notebook das viagens que ela tem feito por vários continentes.

Estas coroas apesar de serem ligeiramente diferentes das originais - ela usa limão e funcho numa versão mais Sueca, eu fiz uma versão mais Italiana com tomate seco que trouxe de Florença que estava quase acabar o prazo e ervas aromáticas secas que tinha cá por casa.

Espero que gostem, nós cá em casa adorámos. Imagino estas coroas com um recheio doce e calculo que fique muito bem, mas como cá por casa somos mais de salgados, optei por esta versão.

Um bom fim de semana para todos.




Ingredientes: 22/24 coroas
250 ml de leite morno
75g de açúcar branco
1/2 colher de chá de sal
2 ovos batidos
2 colheres de chá de fermento Fermipan para pão 
500g de farinha de trigo sem fermento
200g de queijo creme Cool da Saloio
100g de tomate seco
2 colheres de sopa de oregãos secos
1 colher de sopa de cebolinho

Misture o leite, o açúcar, o sal, a manteiga, 1 ovo e o fermento numa batedeira com a pá própria para amassar pão. Quando misturado, adicione a farinha em duas vezes. Amasse por 10 minutos estar bem unido e caso necessário, acrescente mais farinha. Quando a massa ficar elástica, forme uma bola com as mãos. Cubra com um pano limpo e húmido e reserve num local ameno por cerca de 1 hora, ou até dobrar de tamanho. Polvilhe a superfície de trabalho com farinha.

Divida a massa em duas bolas. Estique uma bola com o rolo da massa até formar um rectângulo com cerca de 40cm x 35 centímetros e cerca de 5 mm de espessura. Espalhe metade do creme de queijo no topo, em seguida, polvilhe com metade com o tomate seco e partido grosseiramente, e polvilhe com oregãos ou cebolinho.

Dobre a massa em terços, na horizontal, levantando primeiro um terço da massa para o meio, depois de dobre a terceira parte superior para baixo de modo que fique alinhado com a extremidade inferior da massa de pão, um pouco como um envelope.


Corte a massa em tiras com cerca de 3cm de largura usando um cortador de pizza ou uma faca afiada, em seguida, corte cada tira ao meio com 2cm a partir do topo, como se fosse fazer umas calças. Torça cada "perna" ou tira,  e depois torça ambas as tiras juntas e enrole em forma de coroa, prendendo as extremidades com os dedos (veja as imagens). Coloque numa tabuleiro forrado, pincele com o ovo batido e deixe repousar por cerca de 30 minutos. Enquanto repousa, faça o mesmo processo à segunda bola.

Enquanto isso, pré-aqueça o forno a 220°. Pincele novamente as coroas com mais ovo batido, polvilhe com os oregãos ou cebolinho e leve ao forno por 15-20 minutos, até ficarem dourados 

Coloque numa grelha para arrefecer um pouco ou se for como eu, prove ainda morninho que é bem bom.

Tagine de vitela e tomate


Sei que o calor aperta e tudo o que menos apetece é ficar em casa a cozinhar quase duas horas, mas se forem pessoas que gostam de uma boa carne tenrinha e cheia de sabor... Fiquem por aqui, apontem esta receita para um domingo e aposto que vão adorar.

Comprei esta vitela para fazer este prato, mas a falta de cogumelos frescos e do creme fraîche, fez-me mudar de ideias e agarrar na tagine que me ajudou bastante na execução. Seleccionei os poucos legumes que tinha em casa e cozinhei a carne lentamente, juntei-lhe o sabor das minhas especiarias preferidas e um aroma fabuloso invadiu a cozinha. Podem alterar as especiarias para as que preferirem, sem regras, já sabem que eu no que toca a especiarias não sou extremista.

Fica um prato com um sabor muito intenso, quero repetir com toda a certeza na época dos tomates, ficará mais saboroso mas talvez não tão intenso. Acompanhei com um couscous simples que acabou por cozinhar em água fria, enquanto a vitela cozia.

Que a vossa semana seja como este prato, cheia de cor e sabor.


Tagine da Le creuset

Ingredientes: (4 pessoas)
500g de vitela (cortada em pequenos cubos) 
5 colheres de sopa de azeite
1 alho francês
2 dentes de alho
1 cebola
2 tomates maduros
1/2 pimento vermelho
1 limão preservado pequeno
1 colher de café de ras el hanaut
1 colher de café de tagine
1 colher de café de gengibre em pó
1 colher de café de harissa em pó
1 colher de café de paprika doce
200ml de polpa de tomate
200ml de água
1 colher de sopa de açúcar mascavado
flor de sal fumado picante Salviking q.b.
250g de couscous grão médio

Numa tagine ou numa panela anti-aderente em lume alto, adicione o azeite, o alho e a cebola picada, deixe refogar um pouco sem deixar de mexer. De seguida adicione o alho francês às rodelas e o pimento picado em pequenos pedaços e deixe refogar mais uns 3 minutos. Adicione os tomates sem pele e cortados em pequenos cubos e o limão preservado (caso não tenha, ignore esta parte e regue com sumo de meio limão antes de servir) e deixe cozinhar mais uns 2/3 minutos.

Por cima coloque a carne, cortada em cubos e polvilhe com as especiarias a gosto e a flor de sal, deixe cozinhar uns 5 minutos e regue com a polpa de tomate e a água (até cobrir a carne), tape a tagine e deixe cozinhar pelo menos durante 1 hora em lume brando. A meio da cozedura, adicione o açúcar e mexa quando achar necessário. 

Entretanto prepare o couscous, existem várias maneiras de o fazer. A vapor, ou simplesmente com água fria, como fiz desta vez.


Enquanto espera a carne ficar pronta, coloque o couscous numa tigela alta, com água até cobrir o couscous, adicione sal, um fio de azeite e deixei repousar até o couscous absorver toda a água por completo. O couscous vai ficar um pouco cru, caso necessário, volte a fazer o mesmo processo depois de mexer com um garfo para o soltar. Ou então uns 5 minutos antes de desligar a tagine, abra um buraco num dos lados e coloque o couscous dentro da tagine com a tampa fechada até desligar por completo. 

A carne vai ficar tenrinha, e bem suculenta e o couscous vai absorver o perfume das especiarias, uma maravilha acreditem. Acompanhe com água aromatizada com maçã e menta fresca.